Mudanças no seguro-desemprego e salário mínimo em 2015

Mudanças no seguro-desemprego e salário mínimo em 2015
Ano começa com aumento do tempo mínimo para requerer o seguro-desemprego e também do salário mínimo nacional

Passa a ser maior o tempo de vínculo com a empresa para poder ter direito ao seguro desemprego em 2015. Novo salário mínimo nacional também tem aumento, mas ainda fica bem longe do idealizado por economistas. Medidas já estão valendo, veja o que mudou

Entrou em vigor nesta quinta-feira (1) o novo salário mínimo nacional. Após uma especulação no final do ano passado de que o valor giraria em torno dos 790 reais, confirmou-se no Diário Oficial da União que o novo salário mínimo é de 788 reais, representando um reajuste de 9%, maior que a inflação. Apesar do valor estabelecido, os estados do Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro seguem tabelas diferentes. 


O impacto do aumento do salário mínimo nas contas públicas será de cerca de 22 bilhões de reais. O valor é calculado levando em consideração a inflação do ano anterior e o crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes. 

Fica mais difícil requerer o seguro-desemprego

No entanto, 2015 não começa apenas com boas notícias, pelo menos não para quem tiver que contar com o seguro-desemprego, que passa a poder ser solicitado apenas 1 ano e meio após a contratação. Antes o direito ao benefício poderia ser requerido se o trabalhador fosse demitido após 6 meses da contratação. Já na segunda soliciatção do benefício, a exigência de tempo passa para 12 meses e na terceira para 6 meses novamente. 

As mudanças nas regras dos benefícios estão em duas Medidas Provisórias publicadas no dia 30 de dezembro em edição extra do Diário Oficial. As novas regras para pensão por morte e seguro-desemprego entram em vigor em 60 dias.

Veja mais: