8 motivos para não viajar para o nordeste do Brasil

São 8, mas poderiam ser muito mais. Entre séculos de história, conheça os motivos que certamente te farão mudar de ideia sobre visitar o Nordeste brasileiro.

8 motivos para não viajar para o nordeste do Brasil
Natureza? História? Gastronomia? Você não quer nada disso, não é?

Nos tão esperados dias de férias, quem é que quer saber de paisagens paradisíacas, paz, diversão e tranquilidade? Por isso, que a gente não recomenda o nordeste para as suas férias!

Nordeste brasileiro, com tanto lugar mais distante para ir?

Já sabemos o suficiente sobre essa região do Brasil pela televisão. Se eu posso ir para um lugar menos bonito, mais caro e mais longe, por que eu iria para o nordeste?

1. Viagem doméstica, a gente gosta é de confusão em aeroporto internacional

Como fã de uma viagem de avião, eu dispensaria a entediante viagem até o Nordeste. Bom mesmo é passar mais de 10h dentro do avião, fazer 3 escalas, passar pela imigração e viver a aventura de poder ser barrado! Chegando rápido ao meu destino, perco a chance de ficar mais tempo meditando dentro do avião, tô fora.

2. Bom mesmo é gastar dinheiro em moeda estrangeira

Podendo aproveitar a oportunidade de viajar para outro país e fazer uma visita à casa de câmbio antes, diga, qual a graça de ir para o Nordeste? Mesmo que o custo de passar uma semana em Natal seja quase a metade do que ir para Orlando, preferiria ir para os States e gastar tudo em dólar, sem direito a café da manhã. Deixa para conhecer Pipa, pororoca, Praia de Ponta Negra, lagoa da Coca Cola e os parrachos de Maracajaú depois. Prioridade é gastar os tubos no exterior em tempos de crise, e antes conhecer as casas de câmbio.

Praia de Pipa

3. Natureza tem em todo lado. E daí?

Esse negócio de ecoturismo é uma grande perda de tempo. E nem adianta dizer que no Nordeste tem o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, na Bahia, ótimo para mergulhar e maior formação de corais do Atlântico Sul. Também não interessa saber que na Bahia tem a Chapada Diamantina, com grutas, cânions, rios e cachoeiras, ótimos para fazer aventuras. Para quem vive na cidade, nada melhor do que continuar respirando muito monóxido de carbono, de preferência numa grande cidade europeia cinzenta, ou em Pequim.

4. Se for para conhecer história, melhor ler um livro

Sinceramente, não sei o que os estrangeiros vem fazer em Olinda, essa cidade cheia de construções históricas e com uma paisagem cheia de casas e igrejas tombadas. Devem ser loucos. Pior ainda é São Luis, no Maranhão, cidade reconhecida como patrimônio da...humanidade. Tudo bem que lá tem um dos maiores conjuntos arquitetônicos com origem europeia em todo o mundo, tal como Salvador, cidade reconhecida como Patrimônio Mundial pela UNESCO. Qual a graça?

Olinda

5. Melhor dar nó na língua tentando falar um idioma estrangeiro

Outro aspecto desmotivante para conhecer o Nordeste é que por lá eles falam português também. E nem adianta vir com aquele sotaque simpático e peculiar, o lance mesmo é forçar a barra falando inglês. Ou catalão. Ou russo, quem sabe. 

6. Gastronomia? Nada que um restaurante típico não resolva!

Por que deixar de ir até a Espanha e degustar uma exclusiva paella para ir até a Bahia para provar pratos como Moqueca, Vatapá, Acarajé ou sobremesas como munguzá, beiju de tapioca ou umbuzada, bebida que só se encontra no Nordeste do Brasil? Não faz sentido ir até o Maranhão e provar os diversos tipos de preparo de arroz por lá, como o de toucinho, jaçanã ou o arroz de cuxá. Para comer arroz, melhor ir para a China ou Japão!

Acarajé

7. O legal é a adrenalina de lidar com gente estranha

Para quem curte fortes emoções, viajar para o Nordeste e encontrar aquele povo acolhedor é um saco! O interessante mesmo é ser recebido friamente, ou pedir informações e ser atendido com a maior má vontade em Paris, só para ter o prazer de encontrar o destino totalmente sozinho e sem noção de como chegar. Adrenalina!

Os gringos gostam da hospitalidade e receptividade dos nordestinos porque na verdade eles vem enganados, achando que vão ser tratados com aquela formalidade tão calorosa do europeu.

8. Não precisa de Permissão Internacional para Dirigir?

Ah, fala sério ir para o Nordeste e usar minha Carteira Nacional de Habilitação para poder dirigir jipes em Jericoacoara ou conhecer o Delta do Parnaíba, um dos santuários ecológicos mais diversificados do mundo. Passear pelos Lençóis Maranhenses, com aquelas dunas que com certeza são mais feias que as do Saara? Me inclua fora dessa!

Legal mesmo é pagar um DUDA de R$ 126,97 e me deslocar até o aprazível prédio do Detran, para providenciar minha Permissão Internacional para Dirigir…

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar