Viajar ou guardar dinheiro? 6 dicas que vão te ajudar a decidir

Viajar é preciso, mas economizar para não sofrer com imprevistos e dívidas também é. Está na dúvida sobre viajar ou guardar dinheiro? Confira essas 6 dicas.

Viajar ou guardar dinheiro? 6 dicas que vão te ajudar a decidir
Decida qual a melhor opção para sua vida nesse momento.

O que vale mais, viver experiências ou ter uma vida financeira estável? A American Express Travel, em estudo da Forbes, perguntou para algumas pessoas se é melhor usar o dinheiro para viver o momento ou guardar para a aposentadoria. O resultado surpreendeu: 82% responderam que preferem viajar do que guardar dinheiro e 91% preferem ter mais experiência de vida do que profissional.

“Viajar é preciso”, como diz o jargão popular. Mas se preparar financeiramente para emergências também é, afinal, não existe estresse maior do que viver no vermelho e precisar de dinheiro quando não tem. E aí, viajar ou guardar dinheiro? O que é melhor?

Saiba se é melhor viajar ou guardar dinheiro

Não existe uma resposta exata para o dilema “viajar ou guardar dinheiro”. É preciso colocar na balança e pesar qual opção é melhor para o momento que estiver vivendo. Para ajudar na decisão, listamos alguns dos pontos principais a se levar em consideração:

1. Viajar gera muitos custos

Graças à internet é muito fácil encontrar pacotes a preços tentadores, com passagens aéreas e hospedagem inclusas, mas é necessário levar em consideração os demais gastos que a viagem vai render. Parece mentira, mas muita gente esquece de pesar as despesas com alimentação, lazer e passeios turísticos.

Os preços costumam ser bem elevados em cidades turísticas. Uma água de coco pode custar R$ 6 em Copacabana, no Rio de Janeiro, e em Ilhabela, em São Paulo, por exemplo. Num primeiro momento pode até parecer que aquele pacote de sete dias se encaixa no seu orçamento, mas ao colocar tudo na ponta do lápis as coisas são bem diferentes.

2. Ter uma reserva de emergência é necessário

A reserva financeira de emergência é essencial para garantir seu futuro. É ela que vai segurar as pontas em caso de demissão ou caso surjam gastos inesperados, como um problema no carro ou uma doença.

É claro que ninguém gostar de pensar nisso, mas é preciso para evitar futuras preocupações, principalmente em um momento de instabilidade econômica e no mercado de trabalho. E acredite, esse dinheiro será usado em algum momento, pois imprevistos acontecem. No futuro você vai agradecer por ter poupado ao invés de torrar o dinheiro em uma viagem.

Economistas dizem que o ideal é poupar dinheiro para se manter por seis meses em caso de demissão. Esse é o período de tempo médio que um profissional demora para se recolocar no mercado de trabalho, mas pode variar de profissão para profissão.

Viajar ou guardar dinheiro?

 

3. Mas ter um fundo para viagens também

Não dá para ser escravo do dinheiro, afinal, trabalhamos para para viver experiências que a falta dele não nos permite viver. Então assim que tiver o fundo de emergência – que é mais urgente –, comece a poupar dinheiro para gastar como deseja. Assim não terá que se preocupar em escolher entre viajar ou guardar dinheiro, pois já terá o fundo garantido para isso.

Uma ideia é acumular nesse fundo cerca de 10% do seu salário, ou também guardar aquilo que recebeu em horas extras, 13º salário ou trabalhos como freelancer.

PS: O fundo de emergências é para emergências! Não é porque nada aconteceu que está liberado viajar com esse dinheiro.

4. Para gastar é rápido, para poupar demora

Para gastar R$ 1 mil em uma viagem é rapidinho: bastam alguns jantares em restaurantes tradicionais, roteiros turísticos para conhecer o destino e compras de souvenirs em lojinhas locais. Mas juntar essa mesma quantia economizando R$ 100 por mês demora quase um ano. Leve isso em consideração antes de ceder ao impulso da viagem.

Por que você não deve juntar dinheiro num cofrinho

5. Viaje fora de temporada e busque economizar

Se entre viajar ou guardar dinheiro você prefere a primeira opção, busque economizar ao máximo para evitar transtornos. Use milhas para passagens aéreas, programe seus voos para madrugada, busque destinos turísticos menos conhecidos e viaje fora de temporada para garantir melhores preços.

Se for pra praia, negocie os valores, leve seu próprio guarda-sol e faça do isopor e do cooler seus melhores amigos. E se comprar pacotes de ecoturismo, como trilhas, leia atentamente o que é necessário levar para não ser pego desprevenido.

6. Pense nas consequências de viajar ou guardar dinheiro

Ponha na balança as consequências positivas e negativas de cada decisão antes de dar o veredicto. Se nesse momento sua situação financeira está estável e é importante para você viajar e aproveitar momentos de lazer, invista; mas se o dinheiro está curto segure as pontas por alguns meses, poupe dinheiro e espere.

Se estiver preocupado com o futuro, poupe seu dinheiro, faça investimentos e deixe que ele trabalhe por você. Por outro lado, se sentir que está bem e é o momento de priorizar mais as experiências pessoais, comece a pesquisar os melhores destinos.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Na Web:

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar