Quer financiar um carro?

Receba já uma cotação com a melhor solução de crédito para você

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Seguinte

Os truques mais usados para vender carro mais caro

Antes de adquirir um veículo usado ou seminovo, o comprador precisa ter muita atenção e olhar clínico para evitar ser ludibriado por vendedores que desejam vender carro mais caro indevidamente

Vender com preços superiores aos de mercado é mais comum que se pensa

A compra de um veículo usado deve ser cercada de cuidados redobrados em relação à aquisição de um zero quilômetro. Em alguns casos, o objetivo do revendedor será vender carro mais caro do que seu preço de mercado, induzindo o comprador a pagar valores que podem chegar até ao preço de um outro veículo.

A tabela FIPE (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) deve ser sempre a referência, pois é pautado nos valores que ela divulga que o mercado regula os preços. Eventuais oscilações não previstas de oferta e demanda podem ocorrer, mas na maioria dos casos os estudos conduzidos pela própria FIPE já dão conta de todos os fatores envolvidos na precificação.

Abaixo, listamos alguns dos truques usados por revendedores para ludibriar o cliente, fazendo-o pagar mais caro do que deveria. Alguns são até enquadrados como estelionato, crime previsto no Código Penal Brasileiro.

Como os revendedores fazem para vender carro mais caro

Os cinco principais ardis utilizados pelos revendedores para vender carro mais caro podem ser desde uma simples técnica de argumentação até uma condição imperdível que mascara um roubo ou um golpe. Confira:

Ganhe um serviço mecânico grátis na Porto SeguroPara segurados e não segurados

O golpe do carro muito barato

Há revendedores que anunciam carros usados com preços consideravelmente abaixo do mercado, na ordem de metade, às vezes menos ainda, que o valor de referência. Nesse caso, são grandes as chances de o carro ter sido financiado em nome de um laranja que foi pago para emprestar seu nome, sem ter arcado com as parcelas devidas.

Ganhe um serviço mecânico grátis na Porto SeguroPara segurados e não segurados

O revendedor camufla a irregularidade alegando que o documento do carro precisa ser mantido em seu nome, pois trata-se de refinanciamento. Até aí tudo bem, o problema é que em algum momento a financeira vai realizar a apreensão do veículo, não importa com quem esteja. Os golpistas geralmente conseguem enganar por algum tempo, uma vez que os processos de busca e apreensão são demorados. Embora não seja um truque para vender carro mais caro em si, ele pode cobrar um preço muito alto para o comprador, que poderá até vir a ser envolvido num esquema criminoso.

Carro batido ou com mossas disfarçadas

Um dos truques para vender carro mais caro mais comuns consiste em disfarçar eventuais imperfeições na lataria provenientes de colisões. Geralmente os disfarces são detectáveis avaliando se a lataria apresenta diferenças na textura, desalinhamento de vincos ou se, ao dar pequenos golpes, o barulho é diferente em relação a outras partes. Um especialista em lanternagem ou funilaria pode ajudar a encontrar esses possíveis defeitos encobertos pelos revendedores.

Veículo recuperado de enchente

Nesse caso, o indicador mais comum costuma ser a presença de forte perfumaria no interior do carro, para disfarçar cheiro de mofo ou de tecido apodrecido. É preciso ter bastante atenção a tecidos, carpetes e bancos que apresentem sinais de deterioração, corroídos ou com marcas de infiltração de água. É um truque às vezes difícil de detectar, portanto, deve-se ter atenção redobrada ao mínimo indicador de que o carro passou por uma enchente.

Vale a pena comprar carros no leilão do Detran?

Veículos que eram de frotas de empresas ou utilizados em comércio

Um carro utilizado para transportar cargas ou para transporte de passageiros naturalmente sofre um desgaste maior em relação a um carro para uso individual ou familiar. Fora o fato de certamente terem sido guiados por mais de um motorista que não se importou muito com a sua conservação, esse tipo de veículo tem depreciação maior por ter sido mais exposto a danos e problemas mecânicos.

Os revendedores, para camuflar sua origem, trocam algumas peças superficiais e que possam impressionar o comprador, tais como volantes, bancos, enfeitando o câmbio ou mesmo fazendo uma simples troca de pneus. Ainda, a quilometragem do carro provavelmente é adulterada, uma vez que muitos quilômetros rodados indicam um veículo que atendeu a necessidades comerciais.

Nesse caso, vale reforçar a vistoria no motor, uma vez que é nele que as peças que realmente acusam o real estado do veículo se encontram, entre elas o filtro de óleo, de ar ou mesmo a bateria. É de grande ajuda a presença de um mecânico com olhar treinado nesse momento.

Jamais responder quanto e como pretende pagar sem saber o preço antes

É comum um vendedor de veículos usados perguntar primeiramente de quanto será o valor de entrada. Ao responder, ele saberá quanto pode “acrescer” no preço do carro para extrair um lucro a mais, ainda que camuflado e embutido no valor da parcela. Por isso, um outro cuidado importante é cotar um veículo pelo seu preço final, somadas todas as prestações, e não apenas por um valor isolado mensal.

Cadastre-se e ganhe um serviço mecânico GRÁTIS na Porto Seguro.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!