Quer comprar um carro sem entrada?

Receba cotações de crédito para comprar o seu carro

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Seguinte

Vale a pena comprar carro com dívida?

Quando não se pode arcar com os custos do financiamento do veículo, muitas pessoas procuram vender o seu carro com a dívida do financiamento. Saiba quando a compra de um veículo nessa situação vale a pena. 

Confira dicas de como fazer um bom negócio comprando carro com dívida

Muitas pessoas financiam veículos enquanto estão em uma situação financeira estável e as parcelas cabem no bolso. Mas imprevistos acontecem e nem sempre é possível quitar todas as prestações e é preciso passar o veículo e a dívida pra frente. Para quem vende, livrar-se da dívida é sempre um alívio. E para quem compra, vale a pena comprar um carro com dívida?
 
 
FIQUE DE OLHO:
Se você quer fazer um consórcio ou finaciamento para comprar um veículo com dívida, faça uma simulação no E-Konomista, é totalmente gratuito.

O e-konomista te dá dicas sobre como efetuar o negócio e que cuidados tomar. 
 
Com a intenção de se livrar da dívida, os individados costumam oferecer o carro somente pelo valor das próximas prestações, sem pedir ressarciemento pelo valor já pago, ou pedindo um valor muito menor do que já foi investido. A proposta parece tentadora, mas é preciso ficar atento à alguns pontos.
 

Carros com dívidas: vale a pena assumir

 
1 - Verifique se o valor das parcelas que você vai pagar são mais baixas do que você conseguiria num carro 0km ou no financiamento de um usado. Se for mais alta é um sinal de alerta que não vale a pena.
 
2 -  Confira o número de KMs rodados do automóvel. Comprar um carro, mesmo que por um bom negócio, com muitos kms rodados pode indicar que você terá que pagar custos de manutenção frenquentes.
 
3- Não faça um contrato de gaveta
Para evitar gastos extras, algumas pessoas optam por fazer um contrato informal, conhecido como contrato de gaveta,  por meio do qual o antigo devedor passa o financimento a outra pessoa, sem que essa operação seja do conhecimento do banco. Cuidado, esse tipo de contrato não tem valor legal mesmo que tenha sido reconhecido firma no cartório. Para a transferência do financiamento do carro é preciso:
 
  • Comunicar ao credor a intenção de repassar a dívida – O banco precisa aceitar a troca do devedor.  O credor faz uma análise de crédito de quem pretende ficar com o seu carro e, somente depois, decide se transfere ou não a dívida. E fique atento: essa avaliação será cobrada mesmo que o banco não aprove a transferência.
 
  • Pagar tarifas e respeitar regras do financiamento  – o novo devedor irá ter que arcar com tarifas imposta pelo banco pela troca do dono do financiamento e respeitar as regras impostas ao primeiro devedor.
 
Portanto, comprar um carro com dívida requer muita atenção. Pode ser um bom negócio se você encontrar algum veículo em ótimas condições, com número e valor de parcelas reduzidas. E se tudo estiver certo, ainda tem que ser aprovado pelo banco como novo devedor. 
 
  • Não faça a compra por impulso ou por pressão do vendedor.
 
  • Leve o carro a um especialista para que ele avalie a situação do veículo, a analise as demais ofertas do mesmo carro (ou semelhante) no mercado.
 
  • Se tudo estiver a favor da compra do financiamento, vá ao banco e certifique-se que o veículo irá para o seu nome somente com a dívida combinada com o comprador.  
 

Carros com dívida a venda

Confira ofertas de carros com dívida à venda:
 

Se você quer receber mais notícias sobre veículos, basta se cadastrar no E-Konomista! 


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.