Quer usar o FGTS? Veja as 6 melhores formas de utilizar o benefício

Os especialistas garantem que usar o FGTS para investir é um bom negócio. Confira a lista dos 6 melhores investimentos a se fazer com o dinheiro do seu fundo de garantia. 

Quer usar o FGTS? Veja as 6 melhores formas de utilizar o benefício
Conheça as 6 melhores opções para usar o FGTS num investimento

Usar o FGTS para fazer um investimento pode ser um bom negócio. Como o rendimento do dinheiro na conta do FGTS é muito baixo (cerca de 3% ao ano + taxa referencial, ou seja, abaixo do rendimento da poupança e de qualquer aplicação financeira no mercado), vale a pena retirar o dinheiro e investir, mas é importante conhecer as regras para o saque e como fazer o investimento.
 
Existem algumas finalidades que permitem o uso do FGTS. O primeiro passo é saber se o seu caso se encaixa em alguma dessas opções. Confira a lista que o E-Konomista fez com os 6 melhores investimentos para o seu FGTS, com recomendações de como investir o dinheiro sacado e as regras para utilizá-lo. 

1. Usar o FGTS para comprar imóvel

Usar o FGTS para comprar um imóvel pode ser de grande ajuda para quem pensa em realizar esse tipo de investimento. Para poder sacar o dinheiro do FGTS na compra do imóvel é preciso: 
1) Ter pelo menos três anos de carteira assinada. Esse período não precisa ser contínuo.
2) Não ter financiamento ativo no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) em nenhuma parte do país.
3) Não ser proprietário de imóvel residencial no município onde pretende comprar o novo. Assim, se tem um apartamento em São Paulo, poderá comprar outro em Belo Horizonte, mas não na capital paulista.
4) Trabalhar ou morar no município em que fica o imóvel que pretende comprar usando o Fundo de Garantia.
Veja qual investimento imobiliário é ideal para você:

Dar entrada num imóvel

A compra do imóvel é uma boa opção por dois aspectos: a valorização do imóvel provavelmente será maior que o rendimento do FGTS e, caso opte por alugá-lo, também é muito provável que o valor do aluguel seja maior que a correção do fundo de garantia. É preciso ter em vista que qualquer investimento tem seu risco. No caso da compra do imóvel, é preciso ter consciência do risco de perder o emprego e não ter uma reserva para pagar as parcelas do financiamento.  É preciso ter uma estabilidade financeira e um emprego que não te ofereça riscos para não contrair uma dívida que pode se tornar uma dor de cabeça para se quitar posteriormente. 

Pagar prestações ou quitar um imóvel

Se o seu desejo é pagar prestações de um imóvel ou liquidar a dívida do financiamento que já tem, o uso do dinheiro do seu fundo de garantia pode ser uma boa saída. Mas atenção: o valor do imóvel não pode ultrapassar R$ 500 mil, de modo que o financiamento pode ser de até R$ 450 mil. Se você não quiser sacar todo o seu saldo para efetuar essa transação, é possível deixar parte na conta do FGTS para outros objetivos. Mas o dinheiro retido continuará sujeito as mesmas regras para o saque. 

Usar o FGTS para reformar um imóvel

É possível utilizar o seu FGTS para construir, reformar ou ampliar um imóvel através da  linha de crédito chamada Fimac FGTS. Com esse dinheiro é possível também instalar um hidrômetro e sistema de aquecedor solar. O trabalhador pode comprar o material usado para a reforma no limite de R$ 20 mil e em casas avaliadas em até R$ 500 mil.

2. Investir em Infraestrutura

Desde 2013, a Caixa Econômica Federal permite que os trabalhadores apliquem até 30% dos recursos depositados em sua conta do FGTS) em um fundo de investimentos em infraestrutura.  Os investimentos do FI-FGTS em infraestrutura referem-se a ativos de empresas que se enquadram nos setores energia, rodovia, ferrovia, hidrovia, porto, aeroportos e saneamento. Segundo a Caixa, o novo fundo estará sujeito aos riscos inerentes observados em mercado a esse tipo de aplicação financeira, tais como riscos de crédito e risco de liquidez. Apesar dos reveses por que passaram Vale e Petrobras nos últimos anos, quem aplicou seu dinheiro nessas empresas  fez um ótimo negócio e tiveram rendimentos muito superiores ao da conta do fundo de garantia.

3. Manter uma reserva para o desemprego

Se você foi demitido e não tem em vista um emprego em imediato, uma boa saída para fazer o seu saldo do FGTS render por mais tempo é mantê-lo em uma aplicação com muita liquidez, como a caderneta de poupança ou os CDBs (Certificados de Depósitos Bancários). Dessa forma, você poderá usar o dinheiro mais o rendimento para para pagar as despesas fixas ou usá-lo em emergências, na falta de outra fonte de renda. Esse investimento é aconselhável, pois o dinheiro pode ser sacado a qualquer momento. 

4. Aplicar em renda fixa ou tesouro direto

Se o objetivo é criar uma reserva de longo prazo, é recomendável aplicar o dinheiro em títulos de renda fixa, que garantem ganhos acima da poupança atual, como os CDBs. Mas é preciso buscar taxas de administração vantajosas, para não ver os rendimentos minguarem. Outra opção no longo prazo são os papéis NTN-B do Tesouro Direto, que pagam a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) mais uma taxa fixa de juros, se o papel for resgatado no dia do vencimento. A vantagem de investir no Tesouro é que não há taxa de administração, e algumas corretoras não cobram taxa de custódia. 

5. Usar o FGTS para quitar dívidas

Se você possui uma dívida que cobra juros altos, como por exemplo com o cartão de crédito e o cheque especial, é vantajoso solicitar o pagamento dessa dívida com o saldo do seu FGTS. Mas fique atento: só terá direito ao resgate do FGTS o trabalhador que tenha comprometido 30% ou mais da sua remuneração bruta com o pagamento de empréstimos e esteja inscrito em cadastro negativo de crédito há pelo menos seis meses. Assim o trabalhador poderá poderá sacar até 40% do saldo disponível na conta vinculada, mas o dinheiro será transferido diretamente aos credores indicados pelo empregado.

6. Complementar a aposentadoria

Depois de uma vida toda de trabalho, o valor recebido na aposentadoria é muito baixo e normalmente o trabalhar vê seu nível de vida regrado e normalmente precisa de ajuda de seus familiares. Então, uma boa opção para quem pode poupar, é não resgatar o valor do fundo de garantia anteriormente, e sim deixá-lo disponível para a aposentadoria como uma opção de complemento da renda mensal. A ideia é garantir um rendimento extra para pagar gastos elevados, como plano de saúde, que aumenta consideravelmente com a idade. Guardar a reserva para emergências também é aconselhável.

Pode usar o FGTS para Casamento e Nascimento? 

Algumas pessoas se perguntam se é possível usar o fundo de garantia para outras finalidades, como quando há o nascimento de uma criança, no entando, a Caixa Econômica Federal não prevê na lista de possibilidades de movimentação do saldo do FGTS a situação de casamento e nascimento de filhos.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar