Como fazer trabalho voluntário no exterior em 2016

Como e por que fazer trabalho voluntário no exterior. Confira as principais agências e instituições de intercâmbio.

Como fazer trabalho voluntário no exterior em 2016
Ajudar o mundo e conhecer novas culturas numa mesma experiência

Para quem deseja usar seu tempo livre para ajudar a fazer do mundo um lugar melhor de se viver ao mesmo tempo em que conhece uma nova cultura, fazer trabalho voluntário no exterior é uma excelente opção.

São inúmeras as ONGs, agências e entidades que possuem contato com entidades estrangeiras a fim de promover o intercâmbio de pessoas que desejam realizar trabalho voluntário no exterior. Porém, ainda que as fontes sejam seguras é preciso pesquisar e se assegurar por conta própria de que todo tempo e dinheiro despendido nas tarefas serão de fato bem aproveitados e transmitidos aos que de fato necessitam.

Programas de trabalho voluntário no exterior

O Brasil possui inúmeros tipos de entidades que recrutam e selecionam candidatos a vagas para trabalho voluntário no exterior e o que não faltam são lugares ao redor do mundo que necessitam.

Cada instituição possui suas características próprias e isso é certamente um ponto importante a se colocar na hora de decidir por onde começar. Além de escolher uma agência ou instituição de confiança é necessário que os métodos e regras de cada tipo de voluntariado esteja bastante claro e de acordo com o que espera e/ou deseja.

Selecionamos, portanto, algumas das principais agências e sites que realizam intercâmbios para trabalho voluntário no exterior.

Aiesec: Oferece programas com duração de 6 a 12 semanas para que pessoas (de 18 a 30 anos) desenvolvam suas habilidades (pessoais ou de formação acadêmica) em diversos países do mundo.

Serviço Voluntário Internacional (SVI): Com parceria com UNESCO e com o Conselho da Europa, o SVI promove a seleção de 4000 voluntários em média para projetos humanitários ao redor do mundo.

Serviço Voluntário Europeu (SVE): Financiado pela Comissão Européia, o SVE busca desenvolver novas habilidades nos jovens (de 18 a 30 anos) a partir de programas voluntários de longa duração (até 12 meses).

World Wide Opportunities in Organic Farms (WWOOF): Com foco na produção orgânica a WWOOF estabelece o contato de voluntários com fazendas ou pequenas propriedades orgânicas que necessitam de ajuda.

Volunteer Vacations: Em conjunto com algumas das mais importantes ONGs do mundo, proporciona diversão e realização pessoal a pessoas de todas as idades através de trabalhos voluntários relevantes em diversos países.

CI: A CI é uma agência de intercâmbios convencionais que dá também apoio a trabalhos voluntários em países como África do Sul, Peru, Sri Lanka, Tailândia e Índia.

STB: A agência que realiza intercâmbios para estudos e trabalho no exterior possui também parcerias que permitem o contato de pessoas a partir de 18 anos com instituições que promovem trabalhos voluntários no exterior.

Projects Abroad: Com ação em 27 países na África, Ásia, Europa do Leste, America Latina, Caribe e Pacífico Sul, Projects Abroad apóia voluntários interessados em atividades de diversas áreas, principalmente agricultura, educação, esportes e arqueologia.

Naturally Africa Volunteers: Proporciona apoio a programas de diversas áreas em projetos que também coordena nas comunidades do Quênia, África do Sul, Malawi, Tanzânia, Gana e Namíbia.

16 oportunidades para morar no exterior de graça em 2016

Como e por que se candidatar

Ainda que que querer ajudar por si só já pareça motivo suficiente para se candidatar a um trabalho voluntário no exterior, existem algumas questões básicas que precisam ser bastante refletidas a fim de que suas escolhas sejam positivas para todos os envolvidos.

Se candidate a algo que se identifique: Tanto para sua satisfação quanto para melhores resultados para a própria instituição ou comunidade é importante que realize atividades nas quais possua habilidades, sejam elas de formação ou por aptidão natural.

Pesquise sobre a ONG ou entidade: Infelizmente é necessário ter muito cuidado em relação as atividades realizadas pelas ONGs ao redor do mundo. Se certificar de que suas ações de fato visam melhorias na vida das pessoas e se essas são eficazes nesse objetivo.

Voluntariado nem sempre é gratuito: Há instituições que pagam ao voluntário parte do programa (alimentação, hospedagem ou até passagens), porém, seja por ser intermediado por agências ou mesmo por uma real deficiência financeira do programa, é necessário custear suas próprias despesas para realiza-los.

Se dedique integralmente: Tenha consciência de que muito provavelmente sua ajuda será necessária em tempo integral e não apenas como uma atividade aos finais de semana ou por um curto período do dia.

Continue quando voltar: É muito provável que a experiência por si só lhe inspire a sequência do trabalho na sua própria comunidade e esse é um importante legado do trabalho voluntário no exterior. Permita que suas experiências possam ser usadas e aplicadas também quando voltar ao Brasil, ou ainda atue na causa mantendo contato com a ONG a qual ajudou.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Tabata Franco Tabata Franco

Paulistana, formada em Comunicação e Multimeios e em Produção de Áudio e Vídeo. Transita por produções e projetos nas áreas de cinema/vídeo, fotografia, redação e artes em geral. Comunicativa, ama a palavra, se encanta pelas linguagens.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar