Veja quanto você economiza por mês indo trabalhar de bicicleta

Considerada o meio mais eficiente em um raio de 10 quilômetros, a bicicleta tem manutenção simples e barata e beneficia a saúde. Compare a diferença com carro, ônibus e moto. 

Veja quanto você economiza por mês indo trabalhar de bicicleta
Comparamos a diferença de gastos da bicicleta contra carro, moto e ônibus

Já faz algum tempo que a bicicleta deixou de ser usada apenas para lazer ou prática de esportes e se tornou um meio de transporte utilizado no dia a dia. Com a onda da sustentabilidade e as discussões sobre mobilidade urbana ela se tornou uma alternativa para quem busca qualidade de vida e saúde, além de menos horas gastas no trânsito.

A bicicleta é considerada o meio mais eficiente de transporte em um raio de 10 quilômetros. Poucas cidades, entretanto, estão preparadas para receber ciclistas. Na maioria das vezes o que se vê é desrespeito e falta de acessibilidade, e por isso é preciso pesar bastante se vale mais a pena investir em uma ‘magrela’ ou continuar utilizando transporte público e particular.

Saúde em dia

Uma das vantagens de ir trabalhar de bicicleta é o exercício físico. Pedalar faz com que o usuário mate dois coelhos em uma cajadada só: ao mesmo tempo em que vai trabalhar ele se exercita e cuida do corpo e da saúde, ótima opção para quem não tem tempo ou não gosta de frequentar academias e praticar exercícios físicos.

Pedalar é um exercício físico aeróbico e de resistência muscular, por isso melhora o condicionamento, trabalha os músculos da perna, a contração do abdômen e fortalece o coração. O jornalista Lucas Jacinto, 24 anos, é cicloativista e usa a bicicleta como principal meio de transporte para trabalhar.

"Quando você vai trabalhar pedalando as coisas são diferentes. Você acorda, toma um banho, pega a bicicleta e vai para o trabalho fazendo uma atividade física, e assim chega 100% despertado. Você fica mais animado e ir trabalhar ganha um novo significado”, afirma.

Comparação

Se você mora em São Paulo sua economia mensal ao substituir o carro pela bicicleta pode ser muito grande. Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, a ANP, o preço médio da gasolina em São Paulo é de R$ 3,365. Se considerarmos o consumo médio de um Volkswagen Up!, de 13,5 km/l e que uma pessoa trabalhe a 15 km de distância de sua residência, em média este profissional gastaria, em média, R$ 155 por mês de combustível com os percursos de ida e volta.

Além disso, devemos somar a este montante o custo mensal do estacionamento. Se este profissional trabalha na região da Avenida Paulista, por exemplo, seu gasto será de em média R$ 300. Somado a isto há também o valor do seguro do carro, que aumenta .

Fizemos uma cotação de seguro, considerando o perfil de uma mulher, com mais de 25 anos (idade de risco), casada, que usa o carro para trabalhar todos os dias e que deixa em estacionamento. Nestas condições, o seguro mais barato ficou em R$ 1.703. Já em uma cotação em que o carro é usado apenas duas vezes por semana, apenas para lazer, os preços do seguro de um Volkswagen Up! mais barato encontrado foi de R$ 1.498, utilizando-se as mesmas coberturas e franquias. 

Isso significa que ao ir trabalhar de bicicleta diariamente, é possível ter uma economia de pelo menos R$ 660 por mês. Em um ano, R$ 7920. E isso ainda sem contar o curso de manutenção do carro e a desvalorização, o que deixaria o valor da economia anual ainda maior.

Já quem anda de ônibus ou metrô e quiser optar por trocar o veículo pela bike, em São Paulo a economia pode chegar a R$ 167 por mês, considerando 22 dias úteis. Em um ano chega-se a economizar R$ 2 mil.

Além disso, fazendo este exercício você pode deixar de pagar uma academia por exemplo, o que geraria mais uma economia no final do mês.

Ainda que você considere o custo de um bicicletário, para não correr o risco de ser roubado, e caso seu escritório não ofereça um, a economia parece valer a pena, já que também traz os benefícios para a saúde. Vale lembrar que uma opção para guardar a bicicleta é verificar se a garagem do prédio em que trabalha permite que você a deixe lá. Eventualmente isso pode acontecer de forma gratuita.

A dica é sair mais cedo de casa. Ao contrário de quando se utiliza carro, moto ou até mesmo transporte público, com a bicicleta o usuário precisa usar a própria força para chegar ao seu destino, e por isso quanto mais correr mais cansado – e suado! – ele chegará. Pedalando devagar, com pequenas paradas no caminho para beber água e descansar, garante uma viagem mais tranquila e sem perder o fôlego.

Manutenção da bicicleta e outros itens

Os cuidados com a bike não são nada absurdos e comparados aos cuidados que se deve ter com o carro. Caso você não possua uma bicicleta e queira investir em uma o primeiro passo é conversar com um profissional especializado que possa indicar o modelo certo para o seu objetivo.

A sujeira desgasta as peças e diminui a performance da magrela, por isso é fundamental limpa-la com frequência. Sprays de óleo, usados para lubrificar a corrente, não são recomendados por facilitar o acumulo de detritos e repelir a graxa, que também é prejudicada pelo contato com a água.

É recomendado levar a magrela para revisão a cada três meses, principalmente se você utiliza-la todo dia, para checar itens básicos. Lembre-se de trocar os componentes de acordo com o tempo de uso recomendado, apertar os parafusos e prestar atenção aos freios, que se estiverem frouxos precisam de ajuste.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar