Tirar boas selfies: qual limite para conseguir a melhor foto

Será que vale a pena arriscar a vida para tirar uma boa selfie? Veja as 8 selfies mais perigosas do mundo.

Tirar boas selfies: qual limite para conseguir a melhor foto
Veja as 8 selfies mais perigosas

ECONOMIZE NOS SERVIÇOS DA SUA CONTA BANCÁRIA saiba como

Quanto vale se arriscar para tirar boas selfies? Muita gente anda se arriscando demais! Depois da popularização dos smartphones com câmeras que fazem fotografias de boa qualidade, a selfie se tornou uma verdadeira febre. É muito comum ver pessoas sozinhas ou em grupos se unirem para fazer caras e bocas em frente ao celular para tirar boas selfies. Mas tem gente exagerando, arriscam sua vida para ter um bom registro de um momento incrível porém perigoso.

Tirar boas selfies, da Rússia para o mundo

A Rússia é um dos países em que mais pessoas se arriscam para fazer selfies vertiginosamente perigosas. É comum ver fotos de russos em topos de prédios, penhascos, topos de casas e em lugares inusitados, sem equipamento de segurança, tirando selfies incríveis, mas que arriscam a vida apenas por um bom click.

Um exemplo é o fotógrafo Kirill Oreshkin, conhecido como “homem aranha russo” que desde 2008 começou a postar fotos em topos de prédios e outros lugares altos e arriscados e têm hoje milhares de seguidores e admiradores do seu perigoso trabalho. Ele admite que não treina para tirar as fotos arriscadas, que faz isso simplesmente porque gosta de fotografar a cidade de cima.

O trabalho de Oreshkin inspirou outros aficcionados por boas selfies em todo o mundo, como Lau, morador de Hong Kong que adaptou-se às fotografias arriscadas porque queria "fazer algo especial, algo memorável, quero mostrar às pessoas os seus arredores a partir de uma nova perspectiva."

Veja mais: Os piores turistas do mundo

Menos segurança, mais likes

Além de se arriscar por estar em situações perigosas ao tirarem as selfies, quanto menos equipamentos de segurança os fotógrafos utilizam, mais os seguidores curtem a imagem. Segundo o homem aranha russo, “ao utilizar medidas de segurança muda tudo - reconhece que você realmente arriscou sua vida." As selfies em que os fotógrafos aparecem bem protegidos têm menos likes do que as sem proteção, algo que encoraja os mais ousados a se arriscarem por boas selfies.

Perdeu a vida por uma selfie

Se você buscar no Google ‘morreu ao tirar selfie’ inúmeras notícias aparecem sobre casos verídicos em que a tentativa de tirar uma boa selfie foi fatal. No último mês de abril um caso ficou famoso: um romena de apenas 18 anos morreu ao tentar tirar uma foto do topo de uma estação de trem. Ela enconstou num fio de energia elétrica, recebeu uma descarga elétrica de 27 mil volts e não resistiu aos ferimentos.

Outro caso trágico encerrou o início de uma história de amor na África do Sul.  Um jovem rapaz de 23 anos conheceu uma sul africana pela internet e o casal de apaixonou perdidamente. Ele viajou da Inglaterra para Joanesburgo para encontrar a menina, de 21 anos. O primeiro encontro acabou tornando-se também o último. Combinaram de se encontrar no topo da montanha Northcliff, e ao tirar selfies para marcar o momento ao pôr-do-sol o rapaz se desequilibrou e caiu de uma altura de 15 metros. Ele não resistiu e faleceu.

FIQUE POR DENTRO
Cadastre-se para receber todas as novidades e informações publicadas na página do E-konomista. É gratuito!

Aqui no Brasil já há quem ande se arriscando por uma boa fotografia. Em janeiro de 2015, uma menina e um rapaz excederam a velocidade do veículo e tiraram várias fotos com o velocímetro a apontar 180km/h e selfies se divertindo em alta velocidade. No entanto, a brincadeira acabou mal. O carro capotou e os dois se feriram. Como chamar a atenção com boas selfies é um verdadeiro vício, a menina postou uma foto com o rosto todo ensanguentado junto à legenda: “socorro, capoto o carro” [sic].

7 atitudes que você não deve cometer no exterior

As 8 selfies mais perigosas do momento


8. Topo da Cachoeira

selfies perigosas


Esse fotógrafo não indentificado arriscou-se na travessia de uma cachoeira sobre um tronco de árvore e tirou uma selfie com um selfie stick pra lá de perigosa.

7. No topo do Red Gate

selfies perigosas


Kirill Oreshkin, o homem aranha russo,  arriscou-se em uma superfície muito pequena e frágil para tirar essa selfie. Ele está sob a estrela do O Red Gate, edifício em Moscou que possui 133 metros de altura.

6. Topo de arranha-céu em Londres

selfies perigosas


O britânico James Kingston também ganha muitos likes às custas de arriscar-se. Nessa foto ele se pendura em um guindaste no topo da Torre de South Bank em Londres.

5. No topo do Triumph Palace

selfies perigosas


O homem aranha russo, Kirill Oreshkin, fotografou-se agarrado ao pináculo da Triumph Palace, a 264 metros de altura. O edifício em Moscou está entre as mais altos da Europa.

Os 10 castelos mais bonitos da Europa

4. No topo do arranha-ceú The Center

selfies perigosas


O  chinês Lau é um dos mais famosos nesse tipo de selfies.Nessa fotografia, ele está sob o prédio The Center, em Hong Kong, sem qualquer equipamento de segurança a uma altura de 350 metros de altura.

3. Durante escalada

selfies perigosas


Esse rapaz sul africanos arriscou-se durante a escalada de monte em seu país ao parar o exercício no meio para tirar essa selfie. Ele está sozinho e não aparenta haver qualquer segurança.

2. No topo do Cristo Redentor

selfies perigosas


O proprietário da empresa de viagens britânico, Lee Thompson arriscou-se sem qualquer segurança em uma selfie no topo da estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

1. No topo do Ping An Finance Center

selfies perigosas


Lau é realmente um aficionado por selfies perigosas. Nessa, ele tirou uma selfie sem qualquer equipamento de segurança e em condições metereológicas adversas em cima do arranha-céu do centro financeiro de Ping An, a 660 metros de altura.

Cadastre-se grátis e concorra a vários prêmios!


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar