Saiba como funciona margem consignável para um empréstimo

O empréstimo com margem consignável está entre os mais comuns oferecidos por bancos e instituições financeiras. O E-konomista te explica tudo sobre o tema.

Saiba como funciona margem consignável para um empréstimo
O que é margem consignável e como ela limita o valor do seu empréstimo

Quando você vai fazer um empréstimo, o limite do valor que pode pegar emprestado depende da sua margem consignável. Esse valor varia de acordo com o salário ou aposentadoria de cada pessoa e é influenciado também se a pessoa já tem outras dívidas.
 

FIQUE DE OLHO:
Se você quer fazer uma simulação de crédito pessoal totalmente gratuíta, o E-Konomista vai te ajudar. Simula já e receba as informações em minutos. 
O limite imposto pela margem consignável foi criado para que os trabalhadores não atrapalhem o orçamento mensal ao tirar um valor maior do que o necessário, e comprometa os gastos básicos e essenciais.
 
O E-konomista tira suas dúvidas sobre margem consignável para que você possa entender direitinho antes de pegar um empréstimo e não ter surpresas.
 

O que é margem consignável?

 
A margem consignável é o valor máximo que pode sair do salário do trabalhador e ser comprometida para quitar as parcelas de um empréstimo. Por lei, o valor pago na mensalidade não pode exceder 30% do ordenado mensal, ou seja, se você ganha R$2 mil reais por mês, o máximo que poderá pagar em parcelas – que é exatamente a sua margem consignável – é de R$600,00.
 

Como calcular a minha margem consignável?

Para calcular a sua margem consignável você tem primeiro que decidir em qual banco vai fazer o empréstimo. Isso porque, normalmente o limite da margem consignável é de 30% mas dependendo da instituição essa percentagem pode cair para 20% ou 15%. Atualmente o Banco Santander é a instituição que mais oferece: um limite máximo de 30%.
 
Considerando o limite máximo de 30%, basta calcular o valor do benefício (salário ou aposentadoria, excluir gastos com INSS(e pensão alimentícia, se houver) e multiplicar por por 0,3.
 
Exemplo:
Sálário : R$ 2.000 reais
Gastos com INSS e pensão alimentícia: R$500.00
R$2.000 – R$500 = R$1500 reais.
Após deduzido os descontos, basta multiplicar: R$1500 x 0,3 = R$450,00
Ou seja, sua margem consignável (ou valor limite das parcelas mensais do empréstimo) é de R$450 reais.
 
Já tenho outro empréstimo ainda não quitado , isso influência na minha margem consignável?
 
Sim, influência. Os empréstimos realizados e que ainda não foram finalizados devem ser considerados para calcular a margem consignável. Quem tem a margem de R$ 600, por exemplo, e já paga R$ 100 mensalmente de outra dívida, só poderá fazer um novo empréstimo com parcelas de R$ 500, no máximo.
 

O que é margem consignável excedida?

A margem consignável excedida é quando o valor da sua parcela mensal está comprometendo mais do que 30% do seu orçamento. Isso pode acontecer se seu rendimento durante o período de pagamento do empréstimo foi reduzido ou não foram considerados na hora do cálculo da margem consignável gastos fixos que o trabalhador tem.

Manter a margem consignável excedida é ilegal e arriscado para o o seu orçamento. O ideal é dirigir-se à instituição financeira que concedeu o empréstimo e recalcular a margem consignável do cliente verificando se houveram rubricas não consideradas no cálculo e informando dos novos vencimentos reduzidos.
 

Existe empréstimo sem margem consignável?

Diversos bancos e instituições financeiras oferecem empréstimo sem a margem consignável, assim quem já estourou o limite de 30% do seu orçamento em outros empréstimos podem requisitá-lo. Atualmente mais de 65% dos tomadores de empréstimo estão com essa margem esgotada, e pensando nisso algumas financeiras e instituições de crédito tem apontado suas miras para esse público alvo.

Apesar de ser uma excelente solução de crédito para quem precisa do dinheiro com urgência, o juro desse tipo de operação são bem altos comparado com o empréstimo consignado com margem consignável, mesmo apresentando um diferencial tão importante que é não fazer a consulta ao SPC e SERASA, que em créditos pessoais comuns impossibilita a obtenção de empréstimos.
 
Se você decidir por fazer um empréstimo como esse, faça um planejamento inteligente das despesas, para que ao arrumar uma solução de um problema não acabe criando outro ainda maior e que cause futuras dores de cabeça. Faça a simulação do E-Konomista antes para saber exatamente o que você vai pagar.


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar