O que saber antes de fazer renegociação de financiamento

Fique atento a abatimentos com percentuais muito altos em uma possível renegociação de financiamento. Pode ser a isca para cair nas mãos de estelionatários.

O que saber antes de fazer renegociação de financiamento
Saiba o que fazer para não cair no golpe da renegociação de financiamento.

A renegociação de financiamento é uma prática comum nos casos em que o comprador atrasa débitos e precisa fazer uma composição para quitar a dívida. No entanto, renegociar valores é aplicável também para quem vende, no caso, o alvo deve ser a financeira que faz o parcelamento do valor do veículo.

É verdade que existem financeiras que praticam juros abusivos, taxas exorbitantes e até cobram valores extorsivos para o cliente, o que pode abrir uma oportunidade para rever os valores contratados. Infelizmente, uma outra oportunidade também se abre, para empresas sem credibilidade que prometem reduzir em até 70% o valor da parcela mediante cobrança de valores que podem chegar até a R$ 1.500,00. Uma oferta tentadora num primeiro momento, certo?

O golpe da renegociação de financiamento

Com anúncios veiculados em outdoors, panfletos ou mesmo pela internet, empresas sem quaisquer referências prometem, a título de assessoria, a renegociação de financiamento. Normalmente, eles cobram um valor para realizar o serviço, garantem avaliações relâmpago de até 2 dias para verificar a viabilidade do negócio (que com eles sempre é possível), para então prometer uma solução em um prazo de cerca de 90 dias ou um ano. É aí que se consuma o golpe, uma vez que esses criminosos somem do mapa, deixando inclusive de atender às ligações das vítimas.

Para não cair nessa cilada, é muito importante saber que a redução de 70% do valor das parcelas, na imensa maioria dos casos, é impraticável. Basta fazer as contas: retire esse percentual, e veja se o que sobra corresponde ao valor de mercado do veículo. Vale para qualquer valor proposto, que pode ser de 50% ou 60%.

Como conseguir aprovação de financiamento de veículos

Juízes se baseiam nas taxas do Banco Central

Uma pista para saber se a financeira está de fato cobrando juros abusivos é consultar as taxas do Banco Central, na seção “Taxas de juros de operações de crédito” e depois por “Aquisição de veículos” no site da instituição, referência para os magistrados tomarem suas decisões nos processos. De qualquer forma, a via judicial deve ser sempre a última a ser acionada, já que o mais indicado, sempre, é o acordo amigável com a financeira, ou, caso não seja possível, acionar o órgão de defesa do consumidor.

Caso se comprove a cobrança excessiva e o acordo não for possível, uma ação judicial deve ser devidamente orientada por um advogado de plena confiança, jamais devendo recorrer a supostas assessorias. Em qualquer hipótese, o cliente deve continuar pagando as parcelas, até que haja decisão judicial a respeito, e nunca adiar pagamentos.

O desconfiômetro deve ser ligado sempre que alguém prometa abater entre 50% e 70% do valor da prestação numa renegociação de financiamento, revisa os valores em dois dias ou menos, promete terminar o processo em até um ano, pede que não se paguem as parcelas restantes ou que solicita pagamento de parcelas em juízo, ou mesmo parte delas. Fique ligado!

Gostou? Compartilhe!
Na Web:

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar