Reforma trabalhista adiada para o 2º semestre de 2017

A informação foi confirmada por Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho. Especulações sobre direitos seguem nas ruas

Reforma trabalhista adiada para o 2º semestre de 2017
O ministro do Trabalho também falou sobre o “mal-entendido” em relação a reforma

A proposta de reforma trabalhista anunciada para este ano teve de ser adiada para o segundo semestre de 2017. A informação foi divulgada nesta quarta-feira, 21, por Ronaldo Nogueira, ministro do Trabalho. Ele explicou que a solução para a crise fiscal e a retomada do crescimento são as prioridades do governo. A proposta de mudança na legislação trabalhista seria enviada ao Congresso até o final deste ano.

“Estamos apenas em fase de estudos e de debates, porque a questão é complexa e precisa ter a participação de todos os setores envolvidos", afirmou o ministro. Questionado se há chance da reforma ser aprovada até o final de 2017, Nogueira desconversou e disse que o importante no momento é solucionar o déficit fiscal.

"Considero como muito positiva a nossa decisão, do governo, em deixar a modernização para o segundo semestre de 2017, até mesmo porque o governo tem que centrar todas as suas forças nesse momento para solucionar o drama fiscal. Afinal, de que adiantaria a modernização trabalhista se a economia não voltar ao eixo? Se o quadro de recessão econômica permanecer, continuaremos gerando desempregados.”

Além das mudanças trabalhistas, o governo de Michel Temer também decidiu adiar a reforma da Previdência, que é tratada como fundamental para o controle dos gastos públicos. Ela também ficou para 2017.

Durante a abertura do evento do qual participou na manhã desta quarta-feira, 21, o ministro do Trabalho aproveitou para desfazer o que chamou de “mal-entendido” sobre a reforma trabalhista. “Jamais defendi qualquer supressão de direitos, tampouco uma jornada de trabalho de 12 horas, o que seria um verdadeiro disparate." Ele também afirmou que não haverá corte de qualquer benefício, como 13º salário, FGTS, férias, vale-transporte ou refeição.

Foto: Divulgação EBC

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Michelle Monte Mor Michelle Monte Mor

Formada em Comunicação Social e em Mídias Digitais. Escreve sobre o setor automotivo desde 2004. Não larga o smartphone e vive conectada às redes sociais. Adora viajar e dirigir.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar