Quais impostos uma empresa paga? Veja calendário com todos os tributos

Diante de uma série de impostos que uma empresa paga, a pessoa física também deve ficar atenta ao calendário de tributos para evitar problemas. Confira as datas.

Quais impostos uma empresa paga? Veja calendário com todos os tributos
Fique por dentro das obrigações fiscais e prazos para as contribuições

Além da evidente dificuldade de gerir uma empresa em diversos aspectos, os tributos e questões relacionadas são um ponto que o empresário precisa ter atenção redobrada. Envolvendo funcionários, fiscalização de estabelecimento, contribuição social, imposto de renda e muitos outros, os impostos que uma empresa paga devem ser seguidos à risca para não resultarem em multas, juros e, na pior das hipóteses, indenizações e bens confiscados. Fique atento e siga os prazos.

Quais impostos uma empresa paga?

Com uma carga tributária superior a 35% do PIB, os impostos são uma contabilidade muito presente na vida dos brasileiros; o que não se difere quanto falamos sobre as responsabilidades das empresas perante o fisco. Veja quais são os principais impostos que uma empresa deverá arcar durante os meses do ano, tendo como referência as datas do mês de Julho.

IRPJ (Imposto de Renda da Pessoa Jurídica: o pagamento do IRPJ consiste com base no lucro da empresa, que pode ser real, presumido ou arbitrado. A alíquota do tributo é de 15% sobre tal lucro apurado, com adicional de 10% sobre a parcela deste que exceder R$ 20 mil por mês. O pagamento no mês de Julho acontece no dia 29, referente ao mês anterior.

O que acontece se você sonegar impostos

CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido): também com valores mensais, a apuração da CSLL visa acompanhar a forma de tributação do lucro adotada para o IRPJ. A alíquota consiste em 9% para pessoas jurídicas em geral e 15% para as consideradas instituições financeiras, seguros privados e capitalização. O pagamento referente ao mês anterior acontece no dia 20 de Julho.

IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados): com tributação no dia 25 de Julho, referente ao mês anterior, o IPI tem seu fato gerador possível através de duas hipóteses: importação ou operação interna, com diversos possibilidades de alíquota na tabela de incidência do imposto.

PIS (Programa de Integração Social) / COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social): ambos com regras bastante similares e variando apenas de acordo com seus contribuintes; se pessoas jurídicas de direito privado, de direito público ou contribuintes especiais. Nas três modalidades são apresentadas três hipóteses de incidência do imposto, sendo o faturamento ou auferimento de receitas; o pagamento da folha de salários; ou arrecadação mensal das receitas correntes e recebimento de recursos. O pagamento ocorre no dia 25 de Julho, referente ao mês anterior.

ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços): como sua própria sigla já destaca, o imposto tem incidência, no dia 21 de Julho, nas indústrias sujeitas à IPI e sobre serviços de transporte, com pagamento referente ao mês anterior. No dia 12 de Julho, são abrangidos supermercados e estabelecimentos comerciais, além da categoria geral do imposto. No dia 11, a categoria de abatedor de aves também entra no pagamento do ICMS.

Por fim, no dia 25, estão enquadradas operações específicas como rações, autopeças, colchoaria, cosméticos, sucos, ferramentas, materiais elétricos, materiais de construção, brinquedos, bicicletas, produtos alimentícios, materiais de limpeza, artefatos de uso doméstico e bebidas quentes.

ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza): de aplicação municipal, a alíquota utilizada é variável, onde a incidência máxima é de 5% e a mínima, de 2%. Com tal variação, as datas de vencimento para o pagamento do imposto devem ser consultadas diretamente com cada prefeitura, de maneira individual.

INSS (Instituto Nacional do Seguro Social): garantindo assistência ao trabalhador por meio de uma contribuição mensal, o imposto é recolhido no dia 7 através de contribuintes categorizados como empregados domésticos. No dia 15, contribuem os facultativos, individuais e domésticas; já no dia 20, o imposto incide na folha de pagamento. Lembrando que a tributação é referente ao mês anterior.

FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço): pago no dia 7, o imposto consiste em um conjunto de recursos captados do setor privados com a finalidade de oferecer suporte ao trabalhador em caso de doenças, desemprego, catástrofes naturais e ainda pode ser utilizado para investimentos em habitação, saneamento e infraestrutura.

Taxa de Fiscalização de Estabelecimento: competente ao município, as taxas de fiscalização de estabelecimento acontecem anualmente, em data estipulada pela própria cidade onde está localizada a empresa.

Contribuição Sindical Patronal: com recolhimento anual, geralmente ocorrendo no mês de Janeiro, o pagamento é obrigatório e tem a finalidade de contribuir com o sindicado ou federação relacionada à categoria de atuação.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Heloísa von Ah Heloísa von Ah

Formada em Comunicação em Computação Gráfica e Design de Games, é apaixonada pela profissão que exerce. Uma aficionada por tecnologia, gatos e cinema underground.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar