Peças de carros com perda total podem gerar até 30% de economia

Carros com perda total: entenda o que algumas seguradoras fazem com o que pode ser reaproveitado e como o consumidor economiza.

Peças de carros com perda total podem gerar até 30% de economia
Desde 2014, as desmontadoras dão destinos mais interessantes aos carros com perda total

Agende o seu test drive gratuito

Em 1 de julho de 2014, a presidente Dilma sancionou a lei que legaliza os desmanches. Para que a atividade seja legalizada, é necessário cumprir algumas ordens determinadas por lei que garantem a segurança do consumidor final, com procedimentos de marcação de peças e procedência dos veículos. Desde 2004, a medida é pleiteada por algumas seguradoras de automóveis, a fim de oferecer um encaminhamento adequado às peças de carros com perda total. Agora que é uma realidade, as desmontadoras já existem e podem gerar muita economia. Entenda o impacto da legalização dos desmanches e da criação das desmontadoras para o bolso do consumidor.

O impacto da revenda legalizada de peças de carros com perda total

Na Argentina, a mesma medida foi tomada em 2003 e reduziu em 50% o roubo e furto de veículos. Com a legalização dos desmanches e exigência de etiquetação das peças com a procedência, o crime não compensa. Ou seja, pouco a pouco, a legalização dos desmanches pode tornar muito mais rentável ao dono à venda de peças com garantia ao invés de um bloco de peças sem valor. Assim, são reduzidos também os roubos e furtos – e com um risco menor, as seguradoras também podem reduzir o valor das franquias.

Conheça quais são os tipos de franquias de seguro auto

Como funcionam as desmontadoras

Para ser considerada a perda total pelas seguradoras, um veículo deve ter tido, pelo menos, 75% de prejuízos. Isso significa que, caso o valor do reparo em uma das oficinas credenciadas pela seguradora represente 75% ou mais do valor do carro de acordo com a tabela FIPE, a seguradora opta pela concessão da perda total. Mas, para onde vai o carro com perda total?

Pensando numa maneira de garantir a idoneidade das peças usadas, evitar o fomento ao roubo, o descarte indevido e incentivar a reciclagem, três seguradoras se uniram em um consórcio que criou as chamadas desmontadoras após a aprovação da lei. De acordo com Felipe Chahad, gerente de projetos e prevenção de riscos na Autozone, são uma espécie de desmanche, mas legalizado e com a garantia de que cumprem o que é determinado por lei – ou seja, não revendem peças de carros roubados ou com procedência duvidosa. O que as desmontadoras fazem é separar as peças dos carros com perda total em três categorias, obrigatórias por lei:

A – Peça intacta, em condições para uso imediato
B – Peça com poucos danos, mas que ainda pode ser aproveitada para uso imediato
C – Peças para reciclagem: nesta categoria entram os vidros, pneus, step e outros elementos que tenham sido completamente prejudicados ou que comprometam a segurança do comprador final

A PROCURA DO CARRO IDEAL?
Antes de comprar, informe-se, teste e compare. Receba no seu email as melhores dicas e ofertas imperdíveis para você encontrar o carro dos seus sonhos.

Quando há uma batida frontal, é possível aproveitar cerca de 40% das peças dos veículos sinistrados. E, nos casos de uma batida traseira, a mecânica frontal fica praticamente intacta e pode ser feito o reaproveitamento de 60% das peças.

Depois da categorização, as desmontadoras reúnem essas peças e vendem para oficinas de usados com até 70% de desconto sobre o valor de uma peça nova – a venda às concessionárias é proibida. Todos as peças provenientes das desmontadoras vêm com uma etiqueta contendo QR Code sobre a procedência do veículo que continha aquela peça, fotos do antigo carro e outras informações pertinentes ao comprador. Para acessar as informações do QR Code, basta ter um aplicativo no smartphone destinado à leitura desses códigos.

Confira algumas dicas para comprar peças de carro pela internet

Por que preferir as desmontadoras de carros com perda total

É um procedimento que torna mais segura a venda de peças de carros com perda total, recicla os materiais não utilizados e evita que os proprietários de oficinas caiam em roubadas. Na perspectiva dos comerciantes de oficinas de usados, as desmontadoras apresentam muitas vantagens em relação aos desmanches: Ao invés de comprar um lote de peças em que quase nada é reaproveitável, fazer negócios com as desmontadoras permite que o comerciante escolha quais peças quer e pode até mesmo comprar apenas peças da categoria A. Tudo isso, sabendo a procedência dos veículos e tendo a garantia das seguradoras que estão por trás do controle de todo o processo.

Para o comprador, além da garantia oferecida na compra de uma peça, existe a economia de até 30% no preço final da peça reaproveitada em relação a uma usada. Além de não contribuir com situações duvidosas e com o crime, o consumidor também pode ficar tranquilo em relação a procedência e qualidade da peça.

A redução no preço das autopeças pode ser verificada em várias vertentes, e até mesmo no valor cobrado pelas seguradoras. Dos 30 milhões de veículos entre 5 e 20 anos que circulam pelo Brasil, apenas 3 milhões têm seguro. Com essa medida de legalização, o preço médio das peças cai e o valor de uma apólice também sofre uma relativa redução.

Outras vantagens das desmontadoras

  • Análise do veículo e da documentação
  • Baixa definitiva do veículo no Detran
  • Descontaminação do veículo e separação de óleos, gases e fluidos, com descarte adequado
  • Processo certificado de separação de peças de acordo com o estado de conservação
  • Etiquetação de todas as peças com QR Code com informações sobre a procedência do carro
  • Catalogação e armazenamento em local adequado
  • Certificado de qualidade e garantia das peças
  • Peças mais baratas com garantia

Por que desconfiar das peças de desmanches ilegais

Felipe Chahad também explica sobre o mercado de autopeças reaproveitadas: “Quando ocorre a perda total de um veículo, algumas seguradoras leiloam [exceto as três que têm o consórcio das desmontadoras]. Muitas vezes, os carros são comprados por lojas de autopeças que têm parceria com os desmanches. Lá, eles são desmontados e as peças que podem ser aproveitadas (ou não) são vendidas a um preço muito mais baixo do que uma peça usada, por exemplo.”

Chahad ressalta que o mercado de carros de leilões e desmanches pode ser muito perigoso para quem compra – por não saber a procedência do veículo: “O consumidor pode comprar tanto uma peça de um leilão de um falecido que não deixou herdeiros quanto de um carro de seguradora com perda total, sem distinção entre lícito e ilícito ou informações sobre a procedência do veículo. O perigo é alimentar um mercado paralelo e fomentar o roubo, por exemplo: se o ladrão tiver sempre para quem vender, vai continuar roubando, é um círculo vicioso.”

Além disso, as peças leiloadas ou vendidas em desmanches também não são categorizadas de acordo com a sua usabilidade e em questões que envolvem a segurança. No caso das desmontadoras, até mesmo steps intactos são descartados porque podem representar insegurança para o comprador.

Onde encontrar desmontadoras

A Renova Ecopeças está localizada na Vila Jaguara, em São Paulo, e é uma desmontadora legalizada e criada após a aprovação da lei, em 1 de julho de 2014. Acesse o site da Renova para saber mais sobre a compra deste tipo de peças.

Antes de comprar experimente. Agende um test drive online e gratuito.
 

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Gabriela Ventura Gabriela Ventura

Natural de São Paulo, estudante de Publicidade e Propaganda na USP. Não tem hobbies fixos nem rotina, é apaixonada pelo imprevisto. Foi fazer intercâmbio em Lisboa e... estendeu a estadia por tempo indeterminado.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar