O possante "morreu"? Veja 6 possíveis causas da pane no carro

Prestar atenção é crucial para evitar que uma pane no carro vire um grande problema. Confiura quais são os problemas mais comuns.

O possante
Às vezes o problema é a pecinha atrás do volante: conheça os principais motivos de pane no carro

Agende o seu test drive gratuito

Pane no carro. Pânico no motorista. Se você tem que encostar constantemente por causa de problemas com o seu veículo, saiba os tipos de pane no carro mais comuns. No geral, quando consertadas assim que o motorista detecta o defeito, o conserto pode até sequer depender da troca de peças. Mas, quando a situação se arrasta por muito tempo, pode desencadear problemas que são capazes até mesmo de fundir o motor do seu veículo.

Dizem que um carro é um filho. E realmente é. Requer atenção e cuidado e um probleminha pode ser a chave para um problema gigantesco quando o proprietário não dá atenção. Listamos os 3 tipos de pane no carro mais comuns e os 6 possíveis motivos que desencadeariam o defeito. Às vezes, o problema é mesmo a pecinha que está atrás do volante...

A PROCURA DO CARRO IDEAL?
Antes de comprar, informe-se, teste e compare. Receba no seu email as melhores dicas e ofertas imperdíveis para você encontrar o carro dos seus sonhos.

Pane no carro: arrefecimento

A função da água é circular pelo sistema e esfriar tudo amenizar o aquecimento provocado pela combustão e evitar que os pistões se deformem com o calor. Quando há qualquer deficiência nesse ciclo da água, aquela luzinha acende no painel e o pânico é instaurado. O ideal é parar o carro, esperar que esfrie, retirar a tampa com muito cuidado por causa da pressão e substituir a água com o carro ligado, para que volte a circular por todo o sistema. É preciso esperar pelo menos 20 minutos até o carro esfriar por completo. Se o problema persistir depois de pouco tempo, não ande com o carro e chame um reboque para evitar que o pior aconteça.

panenocarro


Os problemas muitas vezes são simples. Mas, se você insistir em andar com o carro sem resolver, corre o risco de empenar o cabeçote do motor e gastar muito para refazê-lo, já que o seguro não cobre – sem falar na desvalorização de um carro com o motor retificado. Eis aqui alguns problemas crônicos e frequentes relacionados ao arrefecimento do motor:

1. Ventoinha desligada

Às vezes o carro entra em modo de segurança e desliga a ventoinha de arrefecimento. Saber se ela está funcionando é simples: depois de estacionar, verifique se o carro faz aquele barulho típico de ventilação. Se estiver desligada, o veículo não resfria o motor, que sobreaquece. É um caso comum de pane no carro.

2. Mangueira do reservatório mal-encaixada

A mangueira do reservatório pode ser uma pane no carro quase imperceptível. O carro ferve, repomos a água e depois o problema se repete. Uma mangueira furada/desencaixada é um problema comum e o reparo é muito barato – quase de graça – quando feito na hora. No entanto, como mencionado, jamais ande com um carro que ferveu mais de 2 vezes no mesmo trajeto pois a dor de cabeça pode ser muito maior do que a pressa.
 

Evite dor de cabeça, antes de comprar faça um teste drive. Agende já, sem custo sem compromisso.
 

3. Tampa do reservatório de água sem despressurização

A tampinha do reservatório de água funciona com o mesmo princípio da panela de pressão: tem pequenas válvulas de escape da pressão. Quando essas válvulas estão entupidas, o carro pode ferver repetidamente. A troca da tampa é barata, custa em média R$ 7,00.


Pane no carro: distribuição de combustível

panenocarro


Um carro usa um motor movido a combustão. E o que isso significa? Siginfica que o processo da queima de combustível é o que mantém o motor em funcionamento e faz com que o carro ande. Por isso, se você não se importa com o posto onde abastece, é hora de ficar de olho. Os malefícios causados por um combustível adulterado podem dar muito mais dor de cabeça do que uma satisfação momentânea pela aparente economia de alguns centavos.

4. Tanque/Bomba de combustível obstruída

Depois de um tempo abastecendo o veículo, o tanque de combustível pode ficar muito sujo e formar crostas que obstruem a passagem. Isso faz com que o combustível não consiga chegar até a bomba e alimentar o veículo para continuar andando e causar uma pane no carro. Consequentemente, o carro morre sem motivo aparente e é necessário dar a partida muitas vezes até que volte a funcionar. Se o problema persiste e não é tratado num carro que funciona à injeção eletrônica, corre-se o risco de uma pane também no sistema de partida do veículo, que pode sair muito cara. Por isso, vale a pena investir numa limpeza periódica do tanque de combustível e observar muito bem onde abastece. Não é normal que o combustível forme resíduos.

5. Combustível adulterado

Pode até ser mais barato, mas o combustível de origem e composição duvidosa baixa o desempenho e o rendimento do carro (em km/l) e torna os abastecimentos mais frequentes. No fim, o preço é igual ou superior ao de uma gasolina de qualidade. O abastecimento constante com combustível adulterado pode acumular resíduos na parte interna do motor e dificultar a movimentação de peças, como os pistões. No fim, o resultado pode ser um motor fundido e uma conta de mais ou menos R$ 1.200,00 entre retífica e mecânica.


Pane no carro: sistemas elétricos

panenocarro


Se você se atenta a todos estes fatos e mesmo assim o carro não dá partida ou apresenta luzes do painel acesas repentinamente e sem necessidade aparente, saiba que o problema pode estar no alternador, que pode consumir energia da bateria quando apresenta algum defeito. Consertar panes elétricas pode ser caro em carros da nova geração, que dependem do sistema elétrico para outras funções além das mais comuns.

6. Bateria

A bateria é responsável por fornecer a energia para o veículo na partida. Depois que o carro está ligado, o alternador é o principal responsável pela distribuição de energia que mantém as funções elétricas do carro funcionando, como o rádio, o carregador do celular e as luzes do painel. Um problema no alternador pode interferir na bateria e te deixar na mão. Por isso, não descuide:

  • Não desligue o carro constantemente num congestionamento. O ideal é deixar o carro ligado por pelo menos 15 minutos para que o alternador consiga repor a energia gasta pela bateria na partida;
  • Evite deixar o carro ligado “no contato: quando o motor está desligado e o rádio permanece ligado, não é o alternador que fornece a energia, e sim a bateria. É por isso que deixar os componentes elétricos ligados por muito tempo com o carro desligado às vezes culmina na descarga total da bateria e na impossibilidade de dar a partida. Esquecer os faróis ligados também. Às vezes, só a transferência de carga entre carros não funciona e é preciso comprar uma bateria nova, que custa, em média, R$ 120,00.
 
Antes de comprar experimente. Agende um test drive online e gratuito.
 

Veja também:

 

Gostou? Compartilhe!
Gabriela Ventura Gabriela Ventura

Natural de São Paulo, estudante de Publicidade e Propaganda na USP. Não tem hobbies fixos nem rotina, é apaixonada pelo imprevisto. Foi fazer intercâmbio em Lisboa e... estendeu a estadia por tempo indeterminado.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar