Como funciona o painel solar que você pode ter em casa

Com economia na energia elétrica que pode chegar a 100%, veja como funciona, quais são os custos e a durabilidade de um sistema de painel solar em casa.

Como funciona o painel solar que você pode ter em casa
Reduza sua conta de energia a quase zero; conheça os custos e tipos de painel solar

Com os custos de energia elétrica cada vez mais altos, surgem as alternativas pela autonomia energética, economia e sustentabilidade. É então que opções como um painel solar surgem como uma possibilidade de diminuir drasticamente a conta de energia elétrica e até mesmo reduzi-la a quase zero.

O Brasil tem um enorme potencial energético solar, pois somos abundantes nessa energia na maior parte do ano, mesmo nas regiões com menor exposição solar (as quais ainda assim possuem maior capacidade energética que os locais mais eficientes da Alemanha, por exemplo). Veja como funciona um painel solar e quais os custos para obter tal sistema em casa.

Como Funciona um Painel Solar?

O comumente chamado painel solar se trata de painéis compostos por células fotovoltaicas que aproveitam a radiação eletromagnética produzida pelo sol. O sistema é fabricado em material que reage ao receber os raios solares, liberando descargas elétricas; estas podem ser usadas para alimentar a casa durante o dia ou armazenadas em baterias para uso posterior.

Existem também disponíveis nestes moldes os chamados sistemas de compensação energética onde, através da instalação de um equipamento especial é possível - para quem produz mais energia do que está consumindo -, disponibilizar esse excedente de produção na rede elétrica.

Tal sistema funcionaria como se o consumidor estivesse vendendo energia, onde assim ele pode obter descontos no consumo quando a produção dos painéis não for suficiente para alimentar a residência (como em períodos muito chuvosos).

Material Necessário

Para que haja essa conversão de energia é preciso alguns itens específicos, como as placas de captação ou painel solar; um controlador de carga responsável por enviar a energia até o local de armazenagem; baterias que irão armazenar a energia captada para uso em períodos onde não haja sol; e um inversor de tensão, responsável por converter a tensão das baterias para a aplicação correta, já que a tensão produzida por elas não é adequada ao uso direto em aparelhos domésticos.

Custos

Entre os itens principais, o maior responsável pelo custo total são os painéis de captação. A instalação destes equipamentos essenciais têm custo médio entre R$ 500 e R$ 1mil, dependendo do fabricante, para um painel de 100W. A escolha das medidas e quantidades de painéis irá depender do consumo médio da casa e do quão autossuficiente o consumidor deseja se tornar em captação e consumo de energia.

Um kit capaz de produzir cerca de 1500 Wh por dia ou 45kWh ao mês custa na média entre R$ 3 mil a R$ 4 mil. Lembrando que estes kits normalmente servem para a alimentação de eletrodomésticos, iluminação e aparelhos de baixo consumo, não sendo recomendados para a alimentação de equipamentos como geladeiras, chuveiros elétricos e aparelhos de ar condicionado.

Caso o consumidor queira mais autonomia energética é possível adquirir um sistema com capacidade de geração média de 250 kWh por mês a custos médios de R$ 14 mil. Estes sistemas são mais robustos em captação e transformação de energia, sendo capazes de alimentar toda a residência. Para os consumidores que optarem por adquirir um sistema com tal capacidade, será possível fazer a troca de energia com a concessionária, caso o consumo necessário não seja atingido.

Economia

A economia para o bolso do consumidor irá depender da quantidade de energia consumida pela casa e da tarifa cobrada pela concessionária em sua região.

Segundo diversos especialistas, o sistema retorna o valor investido em um prazo de médio de 6 a 12 anos, a depender destas condições. Os mesmos especialistas afirmam ainda que, apesar do tempo necessário para retorno, o investimento é uma ótima opção; tendo seu retorno equiparado ao de outras aplicações seguras como o Tesouro Direto, visto que a vida útil do sistema é de aproximadamente 25 anos.

O consumidor ainda não dispõe de um financiamento próprio com incentivos para a aquisição de um sistema de painel solar, porém pode-se utilizar outras modalidades de financiamento como o Construcard da Caixa ou mesmo financiamentos oferecidos pelas próprias empresas que fornecem os equipamentos, a fim de incentivar o uso renovável da energia solar.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Heloísa von Ah Heloísa von Ah

Formada em Comunicação em Computação Gráfica e Design de Games, é apaixonada pela profissão que exerce. Uma aficionada por tecnologia, gatos e cinema underground.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar