Quando vale a pena pagar com cheque?

Considerado por muito como uma forma de pagamento em desuso, veja quais são as vantagens de pagar com cheque e quando é hora de optar pelo cartão ou dinheiro.

Quando vale a pena pagar com cheque?
Saiba qual a melhor forma de pagamento em cada compra

Em plena era digital, há quem afirme que o ato de pagar com cheque está com os dias contados. Afinal, com tanta praticidade entre cartões e mobilidade do internet banking, qual seria a vantagem de continuar utilizando essa forma de pagamento? Veja quais são as operações onde o cheque ainda é a melhor opção.

Quando vale a pena pagar com cheque?

As estatísticas são claras e, de acordo com dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), nas últimas duas décadas houve um recuo de aproximadamente 80% no número de consumidores que costumava pagar com cheque.

Embora a tendência indique uma redução ainda maior nos próximos anos, em algumas ocasiões ele ainda pode ser adotado como o meio mais vantajoso de pagar suas compras. Principalmente em cidades do interior, o método de pagamento tem grande espaço para atuar; beneficiando o lojista, que se isenta das altas taxas do cartão de crédito e garantindo flexibilidade em descontos ou parcelamento ao consumidor.

Pagar com cheque ou à vista?

Certamente, entre a possibilidade de pagar com cheque ou dinheiro vivo, a segunda opção será melhor aceita pelos estabelecimentos e com grandes chances de negociar o valor final com sucesso.

Entretanto, o cheque nada mais é que uma ordem de pagamento à vista, permitindo descontos e flexibilidades. A diferença é que, para o consumidor que não tem o saldo no momento, esse meio pode ser pré-datado a fim de garantir a totalidade da operação na data prevista.

A escolha, se então couber somente ao consumidor, deve levar em consideração seu saldo futuro e a capacidade de organização em controlar as compensações dos cheques. Isso inclui ainda enfatizar precisamente a data do documento pré-datado, garantindo que não haverá débito antes do período previsto. Porém, se o dinheiro na mão ou cartão de débito for destinado especificamente a tal compra, não hesite em liquida-la de uma só vez.

Pagar com cheque ou cartão?

Para algumas lojas de porte maior, o cheque apresenta um grande risco da falta de fundos, o que não acontece no caso dos cartões, pois os pagamentos ficam garantidos pelas administradoras. Entretanto, prós e contras cabem somente ao consumidor avaliar, uma vez que estes são dois meios de pagamento totalmente complementares.

Além da praticidade e da segurança de se andar sem dinheiro vivo no bolso, o cartão de crédito é o meio favorito do brasileiro para realizar compras ou pagar dívidas. No entanto, mesmo com a vantagem do pagamento parcelado e até mesmo sem juros sobre a operação, dificilmente o consumidor terá algum desconto sobre o valor total do bem ou serviço adquirido.

Nesse caso, quando o objetivo é conseguir um abatimento no valor de compras de maior valor, e tiver sucesso nessa negociação através do pagamento por cheque, é ele mesmo que deverá ser escolhido. Caso contrário, prefira o cartão – parcelado ou à vista.

Onde fazer um empréstimo fácil e rápido

E o cheque especial, quando usar?

Fácil de entrar e muito difícil de sair, a polêmica começa quando nos perguntamos se existe hora certa de utilizar o cheque especial. Ainda que ele pareça inofensivo, suas taxas de juros tão elevadas quanto o rotativo do cartão de crédito reforçam a necessidade de passar o cartão sem saldo somente em casos pontuais de emergência.

Por exemplo, se tiver uma conta que precisa ser paga mas seu salário vai cair em dois ou três dias após o vencimento, não há problemas em curar esse débito com o cheque especial. Agora, se a necessidade do dinheiro extra acontece todos os meses, por períodos muito extensos, convém contratar alguma modalidade de crédito pessoal para suprir essa falta recorrente sob taxas de juros mais baixas.

É importante consultar junto ao seu gerente sobre os prazos e taxas do cheque especial a fim de organizar-se melhor com as despesas emergenciais. Algumas instituições oferecem até 10 dias de utilização do saldo autorizado sem cobrança de juros.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Heloísa von Ah Heloísa von Ah

Formada em Comunicação em Computação Gráfica e Design de Games, é apaixonada pela profissão que exerce. Uma aficionada por tecnologia, gatos e cinema underground.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar