Entenda como funciona o odômetro do carro

Saiba como funcionavam os antigos odômetros mecânicos e como funcionam os atuais, que empregam impulsos magnéticos para registrar a quilometragem de um carro.

Entenda como funciona o odômetro do carro
Simples e ao mesmo tempo complexo, assim funciona o odômetro mecânico

O odômetro mecânico, em desuso e prestes a ser aposentado de vez e substituído por sua versão digital, é o dispositivo responsável por registrar a quilometragem de um veículo.

Trata-se de um engenhoso arranjo de engrenagens em série, que num movimento contínuo e sincronizado fazem com que um conjunto de algarismos de 0 a 9, dispostos em círculo e enfileirados numa sequência, mostre o quanto um carro já rodou progressivamente.

Por serem passíveis de adulteração, as versões mecânicas tornaram-se menos confiáveis que as eletrônicas, não obstante o avanço da tecnologia. De fato, os aparelhos para aferir a quilometragem eletrônicos representam um avanço em precisão e confiabilidade.

O princípio de funcionamento do odômetro mecânico

O funcionamento de um odômetro torna-se interessante por ser ao mesmo tempo muito simples, mas de grande engenhosidade. Todo aparelho tem uma unidade de medida chamada de redução de transmissão. Por exemplo, um odômetro com 1690/1 de redução de transmissão exige que seu eixo de entrada gire por 1.690 vezes até que o aparelho mostre uma milha percorrida (1,60934 km).

dirija o
carro dos 
seus sonhos

agende um test drive

Entendida esta relação entre voltas do eixo principal e valores exibidos, fica mais fácil compreender como é que os outros valores são modificados. Como cada um deles se localiza mais próximo do eixo principal do que o que registra uma milha, exigirá a cada casa decimal menos movimentos para mudarem o algarismo. Evidentemente, tudo acontece de forma milimetricamente sincronizada. Odômetro com engrenagem frouxa é sinônimo de falha no registro da quilometragem.

Nos odômetros eletrônicos, o princípio já se baseia em impulsos emitidos por um imã acoplado às rodas. Cada giro faz com que esse imã passe por um dispositivo de captação, que registra a voltagem, que é interpretada por um computador, transformando-a em dados que serão exibidos em forma de contagem.

Como a quilometragem é adulterada

Os antigos odômetros mecânicos não eram totalmente confiáveis justamente por possibilitarem a adulteração dos dados exibidos em seu display. Para fazer tal modificação, o motorista de má fé valia-se de uma furadeira, que uma vez encaixada no eixo do aparelho, poderia fazer com que regredisse. Uma outra maneira, esta mais complicada e de grande risco para o carro, era dar ré e fazer as rodas girarem nessa marcha até atingir a falsa quilometragem desejada, o que poderia ser feito desde que o veículo fosse posicionado num elevador apropriado.

Felizmente a tecnologia evolui, e os odômetros eletrônicos atuais são à prova de fraude.

Faça um test drive sem custos e sem compromisso. Agende já!

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar