Entenda o que é taxa Selic e como ela mexe no seu bolso

Apesar de muitos não saberem o que é taxa Selic ela está mais presente do que imaginamos, sendo uma referência para a economia brasileira. Saiba mais.

Entenda o que é taxa Selic e como ela mexe no seu bolso
A taxa Selic serve de referência para a economia brasileira

Quem assiste aos noticiários e acompanha cadernos de economia está acostumado a ouvir o termo “taxa Selic”, geralmente acompanhado de discussões para acompanhar se ela vai cair, subir ou se manter estável. Mas muita gente nem sabe o que é taxa Selic e para essas pessoas a sigla é um mistério. Como a ignorância acerca de um assunto, em especial quando se refere ao bolso, pode trazer consequências negativas para o consumidor, explicamos detalhadamente o que é taxa Selic e como ela interfere na sua vida.

O que é taxa Selic?

Mas afinal, o que é taxa Selic? Basicamente, ela nada mais é que a média de juros que o governo paga por empréstimos tomados dos bancos. Também conhecida como taxa básica de juros, ela serve de referência para a economia brasileira e é usada para financiamento de operações de curto prazo entre os bancos e aplicações feitas pelos bancos em títulos públicos federais.

Definida a cada 45 dias pelo Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil), ela não é fixa e varia praticamente todos os dias dentro de um intervalo muito pequeno de tempo.

Para que serve a taxa Selic

A partir da taxa Selic as instituições bancárias definem a remuneração de aplicações financeiras feitas pelos clientes. Ela também é usada para definir o piso de juros para empréstimos e financiamentos.

Fica mais fácil entender o que é taxa Selic quando pensamos em controle da inflação: se a taxa é alta ela favorece a queda da inflação, pois há menos dinheiro circulando e menos procura por serviços e vendas. Com a demanda menor os preços tendem a cair. Os bancos oferecem crédito mais caro ao consumidor, o que desestimula o consumo e compensa mais emprestar ao governo.

Em compensação quando a taxa cai os bancos preferem emprestar para o consumidor, pois os empréstimos e financiamentos ficam mais baratos e favorecem o consumo.

A taxa Selic também ajuda a controlar a entrada de investimentos estrangeiros, pois quando está muito alta o valor do dólar tende a diminuir no país. Os investidores externos que aplicam em títulos brasileiros ganham com os juros altos, o que faz com que circulem mais dólares na economia brasileira. Consequentemente essa moeda se desvaloriza por aqui e o real ganha força.

Como a taxa Selic interfere na sua vida

A taxa Selic teve redução de 0,25% e chegou a 14% ao ano no dia 19 de outubro. A redução foi feita pelo Copom e, de acordo com economistas, é o inicio de um ciclo que se estenderá até 2017.

Para o consumidor, os efeitos variam de acordo com a vida financeira de cada um e os investimentos e empréstimos realizados por ele. Quem investe em fundos DI, por exemplo, sofre efeitos diretos, já que boa parte da carteira é investida em papéis que seguem a rentabilidade da taxa Selic.

Quem tomou dinheiro emprestado do banco, entretanto, verá os efeitos acontecerem de forma mais lenta, lembrando que quanto menor a taxa mais barato fica fazer um empréstimo ou comprar a prazo. Essa demora se deve ao fato de que a queda demora a chegar ao consumidor, pois os bancos também cobram seus custos e seu lucro.

Em compensação, quando maior a Selic maior será o rendimento das aplicações de renda fixa, como a poupança ou CDBs.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar