Os melhores países para trabalhar na Europa

Quer mudar radicalmente de vida, recomeçar em outro continente? Conheça os melhores países para trabalhar na Europa.

Os melhores países para trabalhar na Europa
Os melhores países para trabalhar da Europa oferecem mais do que bons salários

Uma pesquisa feita pelo Expat Insider mostra que entre as principais razões para as pessoas mudarem para outro país está o trabalho. De acordo com o estudo, 16% dos profissionais vão trabalhar fora porque a empresa os mandou, 9% encontram empregos no exterior sozinhos, 6% foram recrutados por um empregador do novo país e 6% mudam para um novo país para estudar. Há ainda os que mudam em razão de um romance, por questões familiares ou mesmo porque sempre sonharam em viver em determinado país. Selecionamos os melhores países para trabalhar na Europa, seguindo o estudo, para auxiliar quem está pensando em sair do Brasil.

Trabalhar na Europa: os melhores destinos

Além de bons salários, alguns contam com jornadas reduzidas e a qualidade de vida de modo geral é apelativa. Ou seja, os melhores países da Europa para trabalhar são também excelentes para se viver. Passaporte na mão para conferir o nosso top. Quem sabe se um deles não é a sua próxima parada?

10. Holanda

No 16º lugar do ranking geral de melhores países para trabalhar no exterior e 10º no ranking Europa, a Holanda tem como principais setores econômicos turismo, indústria e finanças. Sua moeda é o Euro e o país está em 16º no ranking econômico mundial (em volume de PIB 2015). A taxa de desemprego do país é de 7%.

9. Dinamarca

Na Dinamarca, a barreira linguística é um pouco menos problemática para quem quer trabalhar. Este que é um dos melhores países para trabalhar na Europa e conta com diversas multinacionais que adotam o inglês como língua oficial. Bem mais fácil que começar a aprender o dinamarquês do zero, não é? A taxa de desemprego na Dinamarca é de 6,3%.

8. Polônia

O país que ocupa 8º lugar do ranking Europa e 11º do ranking mundial de melhores país para trabalhar é a Polônia. A moeda oficial do país é o zlóty e o PIB per capita em 2015 foi de US$12.495.Já o salário mínimo mensal em 2015 foi de € 417,55.

7. Suécia

Com indicadores sociais excelentes, a Suécia é considerada um dos países do futuro e bastante próspero. O salário médio no país ronda os R$ 12 mil, nada mal para bancar o custo de vida relativamente alto. Mas, antes de arrumar as malas para lá, convém saber que falar sueco é essencial para pleitear o posto. A taxa de desemprego da Suécia é de 7,6% e a idade de aposentadoria no país é de 65 anos para homens e mulheres. Os principais setores econômicos do país são serviços e indústria, especialmente TI e telecomunicações.

Ganhe um tablet para aprender inglês oferta limitada

6. Suíça

A Suíça é mundialmente conhecida pela sua estabilidade. As crises passam ao lado, os índices econômicos geralmente não sofrem muitos abalos. A maioria dos empregadores, em situações mais complicadas, prefere reduzir horas de trabalho e adotar outras medidas alternativas do que demitir funcionários. O país não tem um salário mínimo definido.

5. Finlândia

A Finlândia destaca-se mundialmente pela educação, mas é também um dos melhores países para trabalhar na Europa. Uma vez interessado em um emprego, o candidato precisa de dedicação e paciência, pois na maioria dos casos só contratam quem fala finlandês. Mas, uma vez por dentro da língua, você concorrerá em pé de igualdade com os nacionais. O salário médio é de R$ 11 mil, mas não há um salário mínimo fixado.

4. Alemanha

O salário mínimo na Alemanha é de € 1.473,00, um dos maiores da Europa. O país é atualmente conhecido por uma economia sólida. A Alemanha é um dos três maiores exportadores globais e ainda tem o maior crescimento per capita do mundo desenvolvido. Seu índice de desemprego é de 6,9%. Uma ótima aposta para quem quer trabalhar na Europa.

3. Luxemburgo

Em Luxemburgo o salário mínimo pago é de € 1.922,96, sendo o maior do continente europeu. No quesito carreira de trabalho o país ficou em 5º lugar no ranking da pesquisa Expat Insider e em segurança do trabalho em primeiro. Já no equilíbrio entre vida e trabalho, ele ocupa a 28º posição. Vale refletir se o país é uma boa opção para você trabalhar na Europa.

2. Noruega

Já há vários anos a Noruega está entre as lideres desta lista, seja pelas condições do mercado de trabalho, seja pela qualidade de vida oferecida. Atualmente, a taxa de desemprego é de apenas 4,1% e os estrangeiros que lá trabalham representam uma fatia importante da economia. 

1. Malta

E, finalmente, o melhor país para trabalhar na Europa! A primeira posição no estudo Expat Insider coloca Malta como o melhor país para trabalhar no exterior, tanto no ranking Europa quanto no ranking mundial. O salário mínimo por lá é de  € 720,46 e a taxa de desemprego é de 5,7%. No quesito carreira e trabalho, Malta ocupou a primeira posição. Ficou em 3º para equílibrio de vida e trabalho e em 10º em relação à segurança de trabalho.

Ganhe um tablet para aprender inglês onde quiser.

Veja também: 

Gostou? Compartilhe!
Redação E-konomista Redação E-konomista

O E-konomista é um portal on-line que busca fornecer dicas sobre economia em diversos aspectos da vida. Caso queira contactar a nossa redação, envie um e-mail para o info@e-konomista.com.br.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar