Confira a média de preços de planos de saúde no Brasil

Mais de ¼ dos brasileiros tem plano de saúde. Saiba qual é o valor médio dos preços de plano de saúde individual praticados pelas principais operadoras de saúde.

Confira a média de preços de planos de saúde no Brasil
Saiba qual é o valor médio dos preços de planos de saúde individual atualmente

O plano de saúde é um gasto a ser considerado por quase 30% dos brasileiros todos os meses. Segundo pesquisa do IBGE, 28% da população brasileira tem plano de saúde, sendo que essa porcentagem varia muito de cada região. No Sudeste, 36,9% das pessoas têm plano de saúde, enquanto, no Sul, a parcela é de 32,8%. Já no Norte e Nordeste, as taxas caem para, respectivamente, 13,3% e 15,5%. Já que é um valor que afeta o bolso de muita gente, é importante saber quanto está, em média, os preços de planos de saúde no Brasil. Confira.

ANS lista preço de planos de saúde individual

O preço de um plano saúde varia de acordo com diversos fatores: com a cobertura que ele oferece, com a faixa etária do paciente e também se é um plano individual ou familiar. A Agência Nacional de Saúde (ANS) divulgou em meados de 2015 o valor médio praticado por planos individuais nas operadoras de saúde com mais de 100 mil  beneficiários do Brasil. A lista da ANS considera apenas aquelas que possuem atuação nacional ou regional, e que atualmente comercializam planos de saúde individuais - razão pela qual a SulAmérica e a  Bradesco Saúde não foram incluídas.

Média de preços de planos de saúde no Brasil

Ressaltamos que essa não é a lista completa da ANS, separamos os mais relevantes abrangendo as principais regiões do país. Se quiser consultar a lista completa, acesse o site da ANS. Confira o valor dos planos de saúde individuais, do mais caro ao mais barato.

  • Omint - preço médio: R$ 1.813,84         
  • Vitallis - preço médio: R$ 603,66
  • Prevent Senior Private - preço médio: R$ 367,59
  • Central Nacional Unimed - preço médio: R$ 354,84
  • Unimed Natal - preço médio: R$ 341,29                           
  • Unimed de João Pessoa - preço médio: R$ 316,48
  • Unimed de Fortaleza - preço médio: R$ 315,22
  • Unimed de Juiz de Fora - preço médio: R$ 310,87
  • Centro Clínico Gaúcho - preço médio: R$ 307,47
  • Unimed Vitória - preço médio: R$ 306,65
  • Unimed Curitiba - preço médio: R$ 300,31
  • Unimed Norte/Nordeste - preço médio: R$ 296,05
  • Amil - preço médio: R$ 288,98
  • Unimed Maceió - preço médio: R$ 286,40
  • Unimed Campo Grande - preço médio: R$ 284,48            
  • Unimed de Santa Catarina - preço médio: R$ 274,36
  • Unimed do Paraná - preço médio: R$ 271,21
  • Unimed Grande Florianópolis - preço médio:R$ 269,32
  • Unimed Cuiabá - preço médio:  R$ 264,83           
  • Grupo Hospitalar do Rio de Janeiro - preço médio: R$ 262,49
  • Unimed Nordeste RS - preço médio: R$ 257,34
  • Unimed de Blumenau - preço médio:  R$ 252,83           
  • Unimed Goiânia - preço médio: R$ 244,43
  • Seisa - preço médio: R$ 234,99           
  • Santa Helena - preço médio:  R$ 232,26           
  • Associação do plano de saúde da Santa Casa de Santos - preço médio: R$ 219,89            
  • Unimed Belo Horizonte - preço médio: R$ 209,01            
  • Sobam - preço médio: R$ 201,88
  • Samp Espírito Santo - preço médio: R$ 184,22
  • São Francisco - preço médio:  R$ 172,4
  • Fundação São Francisco Xavier - preço médio: R$ 162,28           
  • Medisanitas - preço médio: R$ 158,60
  • Biovida - preço médio: R$ 152,45
  • Clinipam Clínica Paranaense - preço médio: R$ 132,10
  • Hapvida Assistência Médica - preço médio: R$ 61,05

SUS: entenda todos os serviços aos quais tem direito de graça

Valor e reajuste dos preços de planos de saúde para idosos

Para as pessoas que têm 60 anos ou mais, o preço da mensalidade do plano de saúde é muito mais alto pois eles têm maior propensão a necessidades médicas e o custo dos procedimentos inerentes à idade são 6 vezes mais caros do que os dos mais jovens. No entanto, é preciso ficar atento pois muitas operadoras de saúde cobram preços abusivos para planos de saúde de idosos. Além disso, para os contratos firmados a partir de 2004, é proibido o reajuste da mensalidade de pacientes acima de 60 anos. A lei vigente diz que:

  • Contratos firmados antes de 02/01/1999: os reajustes são feitos de acordo com o que foi estabelecido no contrato.
  • Contratos firmados entre 02/01/1999 e 01/01/2004: previsão de aumento para sete variáveis de faixa etária, dos 0 até mais de 70 anos. Em alguns casos, dependendo do que está definido no contrato, as pessoas com mais de 60 anos podem não sofrer reajuste, desde que estejam no mesmo plano há mais de 10 anos, mas não é obrigatório.
  • Contratos firmados a partir de 02/01/2004: os reajustes por faixa etária só podem acontecer até os 59 anos. Após esta idade, não são admitidos os reajustes devido ao avanço da idade. Os beneficiários que sofrerem reajustes, devem esclarecer as suas dúvidas, certificando-se das condições do contrato e recorrer ao Procon.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar