Pequenos hábitos que fazem você jogar dinheiro fora

Alguns maus hábitos, além de interferir na saúde, interferem também no seu bolso, te fazendo jogar dinheiro fora. Conheça nove deles e comece hoje a mudar suas atitudes.

Pequenos hábitos que fazem você jogar dinheiro fora
Saiba como nove hábitos ruins interferem no seu bolso

Não são só os gastos inesperados que causam um rombo no orçamento. Pequenos hábitos nocivos para o bolso podem fazer você jogar dinheiro fora sem perceber – e prejudicar, além da sua conta bancária, sua saúde e estilo de vida. Entenda como alguns hábitos ruins podem impactar na sua vida financeira a longo prazo e comece agora a mudar suas atitudes.

Pare de jogar dinheiro fora

À primeira vista pode nem parecer que aquelas moedas ignoradas embaixo do banco do carro ou o chocolate diário após o almoço custem tanto ao seu bolso. Mas a longo prazo esses valores podem ser bastante significativos: imagine que uma barra de chocolate custa R$ 4 e você consome cinco vezes na semana. Em um mês terá gasto R$ 80 com doce e R$ 960 em um ano. Muito dinheiro, não é? Aprenda a eliminar alguns hábitos ruins e pare de jogar dinheiro fora:

1. Atrasar o pagamento do cartão de crédito

Considere que os juros são seus inimigos. Se mês a mês você ignora a data de vencimento da conta ou “esquece” de pagar no prazo vai gastar uma pequena fortuna com juros altos, o que, ao longo do tempo, se torna uma bola de neve. Acostume-se a pagar no prazo correto e pare de jogar dinheiro fora com algo que não lhe trará nenhum retorno.

2. Fumar

Não é só a sua saúde que sai prejudicada com esse vício. O preço mínimo de um maço de cigarros é R$ 3, e ao fim do ano você pode ter gasto mais de mil reais em cigarros caso fume um maço por dia. Deixar de fumar e guardar esse dinheiro que seria gasto com cigarros rende uma poupança suficiente para investir em ações ou trocar de celular, por exemplo.


3. Não pedir nota fiscal

Os programas de incentivo à emissão de nota fiscal geram prêmios e vantagens ao consumidor que pede para o comerciante colocar seu CPF na nota. A ideia é evitar a sonegação de impostos por parte dos estabelecimentos e ignorar os descontos no IPVA e IPTU, créditos para celular e prêmios em dinheiro oferecidos como recompensa ao consumidor soa pouco inteligente para quem não quer jogar dinheiro fora.

4. Não anotar os gastos

Registrar os gastos do mês, categorizados em despesas essenciais, investimentos e despesas extras – lazer, entretenimento, assinatura de programas, pacotes e revistas e pequenos gastos – ajuda a visualizar melhor o orçamento e identificar áreas nas quais é possível realizar cortes. Confiar na cabeça para registrar esses gastos é garantia de erros no cálculo.

5. Ignorar dias de promoção

Você é daqueles que morre de preguiça de ir ao mercado após o trabalho e deixa para fazer as compras no fim de semana? Saiba que isso te faz jogar dinheiro fora. A maioria dos supermercados oferece descontos e promoções durante a semana para incentivar os consumidores a comprar nesses dias de menor movimento. As chances de você encontrar legumes, frutas e verduras mais frescos e com melhor qualidade também são bem maiores.


6. Pagar por planos que não usa

Se você tem pouco tempo para ir à academia compensa mais pagar por um plano que lhe dá acesso apenas em alguns dias da semana do que um que lhe permite fazer todas as atividades a qualquer hora. Seja realista com seu estilo de vida. Assinatura de canais que você nem assiste ou de jornais que você não tem tempo de ler também são furadas que te fazem jogar dinheiro fora.

7. Comer fora com frequência

Comer em restaurantes e padarias, seja no café da manhã, almoço ou jantar, gera um gasto gigantesco no fim do mês, mas é comum que muitos aleguem fazer isso por falta de tempo para cozinhar em casa. Comece diminuindo os dias em que come fora conciliando com dias em que leva marmita e cozinha em casa e logo pegará o jeito e o hábito de se organizar.

8. “Porcarias”

Além de pesar no bolso também pesa na saúde, então vale a pena repensar o hábito. O costume de carregar balas, chicletes e bolachas recheadas gera um gasto superior a mil reais por ano, e uma pessoa que bebe refrigerante cinco vezes por semana, com cada latinha custando R$ 2,50, terá gasto R$ 650 ao fim do ano.

9. Viajar em altas temporadas

É claro que nem sempre é possível escolher quando tiraremos férias, em especial quando se trabalha em escolas, mas caso seu trabalho seja flexível vale a pena investir em viagens fora das altas temporadas, pois o preço das passagens e estadias é bem mais em conta.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Clara Grizotto Clara Grizotto

Jornalista faz-tudo: social media, assessoria, redação e publicidade. Queria mudar o mundo, mas descobriu que tem muito chão para percorrer antes.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar