Financiamento de carros usados cresce no Brasil

Entenda por que o financiamento de carros usados cresce cada vez mais no país e, do ponto de vista do consumidor, por que os juros são maiores.

Financiamento de carros usados cresce no Brasil
Saiba por que o consumir opta por comprar veículos usados

Uma matéria publicada pelo Jornal O Estado de São Paulo analisou que o financiamento de carros usados que apresentam de 9 a 12 anos de uso (modelos fabricados entre os anos de 2004 e 2007) aumentou no primeiro semestre de acordo com Central de Custódia e de Liquidação Financeira de Títulos (Cetip).

Saiba por que o financiamento de carros usados subiu no país

Esse aumento se deu porque o custo para a compra desses carros é menor em relação aos mais novos e nesse momento de crise econômica é o que mais atrai o consumidor. Como a procura por veículos seminovos é maior, o comprador do carro zero passou a comprar um automóvel seminovo.

Os acontecimentos de 2007, quando houve um recorde de vendas de automóveis, nos ajuda a entender melhor o quadro que estamos passando agora. Nesse período, o mercado tinha muitos carros em estoque e isso fez com que aumentasse o número dos financiamentos na faixa dos 9 a 12 anos. E o mesmo está acontecendo nesse momento.

Em contra partida, é preciso analisar as condições, custos adicionais e ao prazo desse financiamento. Normalmente, os juros para financiar carros mais antigos são maiores, da mesma forma que os valores gastos com a manutenção desses veículos.

Os 40 carros usados mais vendidos de 2017

Com referência aos impostos e encargos da transação, a dica para qualquer operação que envolva juros é economizar ao máximo para dar a maior valor de entrada. Ou, se possível, pagar a metade do valor do carro na entrada e financiar o restante.

Estatísticas

A compra a prazo dos carros usados subiu 6,9% entre janeiro e junho des 206, se comparar com o mesmo período do ano passado. Já os veículos novos, a queda no número de compras foi de 30%; os seminovos caíram 11,2% (até três anos de fabricação); 6,4% de queda para os carros usados jovens (quatro a oito anos); e as compras dos automóveis com mais de 12 anos caiu 27,4%.

O aumento do desemprego, o baixo índice de confiança do consumidor e a queda na renda dos brasileiros são os fatores que explicam a diminuição nos financiamentos de carros novos durante o primeiro semestre desse ano.

Outro fator é que a inadimplência é maior entre os compradores de automóveis mais novos ou zero. Por isso, consumidor passou a abrir mão de itens de conforto do veículo novo e passou a adquirir carros equipados mais antigos, por causa do valor ser bem mais baixo.

Formas de financiamento de carro usado

Em se tratando de financiamento de carros usados há duas formas mais comuns executadas nas concessionárias. A primeira maneira é a que utiliza o Crédito Direito ao Consumidor (CDC). Para financiar nessa modalidade, você deve buscar um banco, que possibilite o crédito no valor da compra. Também é possível buscar uma financeira que trabalha com esse tipo de financiamento para conseguir pagar pelo modelo de carro da sua preferência.

A segunda opção para financiar carro usado é a modalidade de leasing. Nesse caso, é como se você ‘’alugasse’’ o veículo, pois adquire o veículo e pode usá-lo assim que sai da concessionária, e segue pagando as parcelas mensais normalmente. Mas, o carro só será transferido para o seu nome quando o pagamento das parcelas for encerrado.

Toda e qualquer pessoa que apresente uma renda mínima pode efetuar o financiamento de carros usados. A documentação necessária para dar inicio a compra é simples e fácil de reunir, sem burocracia. Basicamente, você deve ter as originais e cópia do seu CPF e carteira de identidade. Também é preciso dispor do seu comprovante de renda mensal e do seu estado civil.

Gostou? Compartilhe!
Elisabete Machado Elisabete Machado

Brasileira, natural de São Paulo, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e Pós-graduada em Fundamentos da Cultura e das Artes pela Universidade Estadual Paulista. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural e Assessoria de Imprensa.

Na Web: