Exame de toxoplasmose: quanto custa?

Saiba por que fazer o exame de toxoplasmose é importante e qual a média de preços.

Exame de toxoplasmose: quanto custa?
O exame de toxoplasmose é de suma importância para gestantes

O exame de toxoplasmose é feito para detectar a presença do protozoário Toxoplasma gondii no organismo e verificar a presença de anticorpos capazes de suprimir a doença, em caso positivo. A toxoplasmose é transmitida a qualquer animal de sangue quente, incluindo os humanos. Mas é no intestino do gato em que o protozoário se reproduz, e por meio do contato com as fezes dos felinos, direta ou indiretamente, que é transmitida a doença. O exame faz parte do pré-natal e é de suma importância para as gestantes. Saiba por quê.

Preço médio do exame de toxoplasmose

O teste de Avidez é capaz de fazer a detecção dos anticorpos igM e igG (explicados abaixo) e determinar em que período a doença foi adquirida. Essa informação é crucial para as gestantes, já que a aquisição da doença durante a gravidez pode prejudicar o desenvolvimento do bebê e saber quando foi adquirida pode minimizar os riscos.

Nos laboratórios Lavoisier o exame de toxoplasmose custa R$ 122. Nos laboratórios A+, custa R$ 90 por anticorpo (igM e igG, separadamente). Nos postos de saúde do AMA, programa do SUS com clínicas específicas para mulheres com foco em gestantes, o exame é gratuito.

Exame de tireóide: quanto custa e onde fazer

Para que serve?

Estima-se que 80% dos parisienses e 70% dos americanos possuam sorologia positiva para toxoplasmose. Mesmo tendo a sua presença tão comum, a maioria das pessoas possui um sistema imunológico que impede o protozoário de causar algum mal ao organismo.

Nós possuímos dois tipos de anticorpos em nosso organismo: igM e igG. Assim que um microrganismo novo e nocivo penetra no nosso organismo, desenvolvemos anticorpos igM, conhecido por anticorpo de fase aguda. Ter o igM positivo para a toxoplasmose significa que a doença foi adquirida recentemente (entre 1 e 4 semanas após a contaminação).

Depois de 4 semanas, o nosso organismo substitui o igM pelo igG, um anticorpo mais forte contra a doença, que a mantém incubada e inativa no corpo. Esse anticorpo ficará aparente para o resto da vida, mesmo que a doença nunca se manifeste.

Em suma, quem tem igM positivo tem a toxoplasmose na fase aguda, com aquisição recente. Quem tem igG positivo apresenta a toxoplasmose incubada no organismo. Pacientes que nunca foram expostos ao toxoplasma terão igM e igG negativos. O que o exame de toxoplasmose detecta é a presença ou ausência desses anticorpos no organismo.

Grupos de risco

Gestantes, portadores de HIV, pacientes transplantados, em quimioterapia e em uso de medicamentos imunossupressores são considerados grupos de risco para a toxoplasmose. Isso porque os germes ficaram incubados no organismo, enquanto o sistema imunológico estava forte. Depois de uma baixa imunidade, os microrganismos se aproveitam da fraqueza para atacar o corpo.

Nas grávidas, caso o exame tenha dado positivo para igM, é necessário fazer exames de toxoplasmose complementares para determinar quando o organismo foi infectado. Caso tenha sido durante a gestação, ela deverá fazer o tratamento adequado para excluir ou minimizar os riscos para o feto.

Nesse grupo de pacientes, a toxoplasmose gera lesões cerebrais que podem levar a convulsões, alterações motoras, na fala e no estado mental. Os sintomas podem ser confundidos com um AVC. A coriorretinite é outro efeito da toxoplasmose em pacientes imunodeprimidos e pode causar a perda da visão. Seus sintomas são febre, tosse seca, falta de ar e miocardite.

Saiba como tirar sardas do seu rosto

Tratamento

O tratamento da toxoplasmose está indicado apenas para os casos em que o paciente apresente sintomas ativos da doença. Para os casos em que não há manifestação de sintomas ou que esses sejam muito brandos, não é necessário tratamento.

O tratamento consiste em Pirimetamina + Sulfadiazina ou Pirimetamina + Clindamicina e pode durar de 4 a 6 semanas. Pacientes imunossuprimidos e de grupos de risco fazem a prevenção para que não haja ativação dos sintomas com os mesmos medicamentos, em dosagens reduzidas.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Gabriela Ventura Gabriela Ventura

Natural de São Paulo, estudante de Publicidade e Propaganda na USP. Não tem hobbies fixos nem rotina, é apaixonada pelo imprevisto. Foi fazer intercâmbio em Lisboa e... estendeu a estadia por tempo indeterminado.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar