Erros de português mais comuns no ambiente de trabalho

Até mesmo para o mais experiente profissional, tropeços na língua portuguesa podem descredibilizar e comprometer uma carreira. Conheça os erros mais comuns.

Erros de português mais comuns no ambiente de trabalho
Gafes na língua portuguesa podem minar chances de emprego e promoções.

Entre relatórios, troca de e-mails, artigos, um conversa por telefone ou interna da empresa, os erros de português no ambiente corporativo cruzam caminhos diariamente. Entretanto, gafes constantes, hábitos de linguagem e erros imperdoáveis poderão minar as suas chances de promoções, recomendações ou mesmo sucesso no processo de contratação. Fique atento às dicas para não tropeçar e ver sua carreira desmoronar.

Os erros de português mais comuns no trabalho

É mais que sabido que, para ser admitido em grandes processos seletivos é fundamental apresentar um currículo impecável, acompanhados de uma boa desenvoltura oral e escrita – principalmente diante da necessidade de redigir uma redação.

Veja oportunidades de emprego em todo o país e receba vagas no seu email

No entanto, mesmo entre candidatos e profissionais com elevado grau de domínio no português, alguns tropeços em sintaxes, concordâncias, regências, conjugações e tantos outros são observados em constância no ambiente corporativo, capazes de comprometer todo o potencial do indivíduo, por equívocos em seu próprio idioma.

E a avalanche de prejuízos não acaba aí. De acordo com Reinaldo Passadori, presidente do Instituto Passadori, quanto maior o nível hierárquico do profissional na empresa, maior é o estrago que um português deficiente pode ocasionar na carreira.

Para evitar esses deslizes, o profissional pode cultivar hábitos de revisão e treino do português a fim de familiarizar-se com novas e antigas regras gramaticais. Entre eles, a leitura de livros, jornais, sites, revistas e a revisão de seus próprios textos podem ser de grande auxílio.

A seguir, confira 8 dos erros de português mais comuns no ambiente de trabalho e como corrigi-los, caso esteja entre os seus fracos no idioma.

  1. “A” / “Há”

Errado: Estou neste cargo a dez anos.
Certo: Estou neste cargo há dez anos.

Neste caso a gafe acontece pois muitos falham ao atentar-se que, para indicar tempo passado, usa-se o “há”. A vogal isolada como expressão de tempo cabe somente para indicar tempo quando empregada no futuro ou indicando distância (Meu carro está estacionado a dez metros daqui).

  1. “Meio-dia e meio” / “Meio-dia e meia”

Errado: A reunião está marcada para meio-dia e meio.
Certo: A reunião está marcada para meio-dia e meia.

Para decorar a correta forma de aplicação, basta lembrar-se que estamos nos referindo a décima segunda hora do dia, mais meia hora – ou seja, meio-dia e meia hora.

  1. “Seção” / “Sessão” / Cessão

Errado: a seção dos direitos autorais desta obra não foi bem aceita.
Certo: a cessão dos direitos autorais desta obra não foi bem aceita.

Tão polêmica quanto à regra dos porquês, é importante frisar que seção significa departamentos, divisões em repartições públicas. Já sessão significa um determinado espaço de tempo onde um espetáculo ou reunião acontece. Por fim, cessão está atrelada ao verbo ceder.

  1. “Houve” / Houveram

Errado: Houveram dois problemas com os computadores esta semana.
Certo: Houve dois problemas com os computadores esta semana.

Quando o verbo haver está no sentido de existir, inexiste sujeito. Por isso, mantem-se sempre na terceira pessoa do singular.

Leia mais: Como enviar currículo por email: veja modelo

  1. “Há cinco anos” / “Há cinco anos atrás”

Errado: Assinamos o contrato há cinco anos atrás.
Certo: Assinamos o contrato há cinco anos.

Assim como acontece no erro número 1, “há” já dá a ideia de tempo decorrido. Por isso, torna-se redundante dizer “há cinco anos atrás”.

  1. “Mas” / “Mais”

Errado: O rapaz é esforçado, mais se atrasa com frequência.
Certo: O rapaz é esforçado, mas se atrasa com frequência.

Entre os erros mais graves que um funcionário ou candidato pode cometer, é fundamental lembrar-se de que “mas” é o contrário de “porém”, e “mais” é advérbio de intensidade.

  1. “Maiores informações” / “Mais informações”

Errado: Para maiores informações, contate a Central de Relacionamento.
Certo: Para mais informações, contate a Central de Relacionamento.

Nesse erro, a regra é bastante simples: “maior” é comparativo, e por isso não se aplica ao caso.

  1. “Por hora” / “Por ora”

Errado: Por hora, não posso te responder.
Certo: Por ora, não posso te responder.

Para esse equívoco, a dica é atentar para a expressão “por hora”, que refere-se a tempo. “Por ora” já expressa seu sentido como “por enquanto”.

Mês da Educação à Distância. Turbine a sua carreira com um curso online!


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Heloísa von Ah Heloísa von Ah

Formada em Comunicação em Computação Gráfica e Design de Games, é apaixonada pela profissão que exerce. Uma aficionada por tecnologia, gatos e cinema underground.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar