4 episódios das eleições dos EUA que causam vergonha no mundo

E então o mundo relevou seus próprios problemas para voltar os olhos aos escândalos nas eleições dos EUA. Conheça os quatro episódios de maior perplexidade.

4 episódios das eleições dos EUA que causam vergonha no mundo
De corrupção a assédio sexual, as eleições dos EUA envergonharam o mundo.

Eleições dos EUA em 2016: um palco de escândalos e atrocidades repetidas sem os menores pudores. Entre muros, e-mails, declarações racistas e misóginas, a corrida presidencial nos Estados Unidos vem chocando o mundo a cada novo ato desse show de horrores.

Veja a seguir quais foram quatro dos maiores episódios de vergonha e revolta que a grande potência mundial enfrentou (e continua enfrentando) e que nos colocou em expectativa pelo melhor desfecho possível.

4 episódios das eleições dos EUA para se envergonhar

Democratas vs. Republicanos: a batalha de ideologias este ano transformou as eleições dos EUA em uma novela onde o desrespeito e o absurdo circulam abertamente para todo o mundo assistir.

Estreladas em sua maioria pelo magnata conservador Donald Trump, as vergonhas que acompanhamos pela TV tomaram proporções sérias e definitivamente preocupantes, principalmente pelo número de americanos que ainda apoiam ideais de segregação racial e de gênero, descaso com o meio ambiente, entre outras armas apresentadas no palco presidencial.

Atualmente 60% dos eleitores norte-americanos afirmam-se sentirem envergonhados com o Partido Republicano – foram retiradas grande porcentagens dos apoios partidários à Donald Trump, que segue em campanha de forma praticamente independente. Vamos aguardar pelos próximos capítulos.

Assédio e Agressão Sexual

Os casos de sexismo dessas eleições dos EUA possivelmente estão entre as vergonhas mais preocupantes que o mundo precisou assistir durantes os últimos meses. Protagonizadas por ninguém menos que Donald Trump, o polêmico conservador acumula acusações e denúncias em seu presente e passado sobre agressões, assédio e misoginia.

Em relato, diversas mulheres que em algum momento já se apresentaram ao magnata, descreveram casos como beijos à força e tentativas de agarra-las impunemente colocando a mão por debaixo de suas roupas. Tais afirmações tomaram uma proporção ainda maior quando veio a público uma gravação datada de 11 anos atrás, onde o próprio candidato se gaba em poder fazer tudo o que faz, e sair impune devido ao seu poder.

Em entrevista, Trump nega o fato, pois tais mulheres que depuseram contra ele seriam “horríveis” para que ele tivesse realmente abusado delas. Atualmente, esse e outros escândalos assinados pelo republicano tornaram sua carreira desestabilizada, e sua preferência retrocedeu muitas casas.

O Muro e os Imigrantes

Certamente, desde o início da corrida presidencial, as eleições dos EUA foram marcadas pela política extremista e intolerante de Donald Trump com relação aos imigrantes ilegais – e convenhamos: muçulmanos, latinos, hispânicos, e todos os não-americanos. Referindo-se à tais indivíduos como criminosos, Trump afirma que essa decisão visa evitar que os mais de US$ 24 bilhões por ano sejam enviados para fora do país, pricinpalmente por imigrantes mexicanos ilegais.

Como solução, além da expulsão dos que não estão regularizados no país, o candidato republicano propõe a construção de um muro – sim, um muro físico – como forma de limitar a entrada de novos imigrantes pelo México. Em adição, Trump afirma que fará o México pagar pela construção dessa obra.

Duvidando de Obama

Desde o ano de 2011, Trump povoa as páginas das manchetes afirmando que, sob nenhuma hipótese, o atual presidente dos Estados Unidos Barack Obama seria um cidadão norte-americano. Como forma de acabar com essa situação, uma cópia da certidão de nascimento de Obama foi divulgada pela Casa Branca, comprovando sua origem no Havaí (um dos 50 estados americanos).

WikiLeaks

Não somente de Donald Trump são feitas essas eleições dos EUA, pois Hillary Clinton, a ex-chefe de Estado também deu as caras entre as maiores vergonhas dessa corrida. Na última semana, entretanto, estivemos diante do terceiro vazamento de milhares de e-mails – desta vez do coordenador de campanha de Clinton -, onde conteúdos colocam em cheque uma série de contradições na campanha da democrata.

Para os mais desconfiados, tais descobertas apenas afirmam o que muitos já suspeitam: Hillary, adepta dos discursos em prol do livre comércio, pode ter uma proposta para conquistar o poder econômico, e outra para beneficiar a base partidária.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Heloísa von Ah Heloísa von Ah

Formada em Comunicação em Computação Gráfica e Design de Games, é apaixonada pela profissão que exerce. Uma aficionada por tecnologia, gatos e cinema underground.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar