6 dicas para curtir a praia e o verão mesmo na pindaíba

Os preços dos ambulantes e barraquinhas nas praias mais populares do país estão cada vez mais altos. Em tempos de crise econômica vale tudo para economizar. 

6 dicas para curtir a praia e o verão mesmo na pindaíba
Saiba como aproveitar o mar sem voltar estressado com os preços .

Sol, mar e preços altos. Não tá fácil pra quem está desempregado ou passando por apuros financeiros curtir uma boa praia, tendo em vista que os preços à beira-mar estão cada vez mais altos. Enquanto uma simples porção de batata frita chega a custar R$ 30 nas areias das praias mais populares, uma latinha de cerveja, preferência nacional, custa até R$ 8.

Para te ajudar a aproveitar o verão sem voltar estressado com os preços altos selecionamos algumas dicas para quem quer ir pra praia mesmo com o bolso vazio. Vale tudo, desde “farofar” até negociar os valores com os vendedores ambulantes.

Como economizar nas areias da praia

Verão sem praia e sem piscina não dá, não é verdade? Pelo menos uma vez é preciso entrar no mar pra espantar o calor e se divertir com os amigos e a família. Melhor ainda se puder fazer isso por um custo baixo e sem estourar o orçamento. Confira as dicas para economizar:

1. Vá para praias menos populares e mais baratas

Dê preferência para praias desertas ou menos populares entre os turistas. É provável que a estrutura turística seja inferior à de praias populares, mas o preço será mais baixo e a possibilidade de negociar com barraquinhas e ambulantes será maior.

Em 2013 o G1 fez um levantamento em 15 praias de todo o Brasil para mostrar as diferenças de preços entre elas. Na época, uma água de coco custava R$ 2 na Praia de Cabo Branco, em João Pessoa, e R$ 6 em Copacabana, no Rio de Janeiro, e em Curral, em Ilhabela. Já uma lata de 350 ml de cerveja custava R$ 3 em Boa Viagem, no Recife, e Ponta Negra, em Natal, enquanto na praia do Curral o preço era R$ 5.

Na Praia dos Ingleses, em Florianópolis, e em Copacabana, o aluguel de guarda-sol saia por R$ 13 e o da cadeira era R$ 12. Já na praia de Pitangueiras, no Guarujá, e na Ilha do Boi e Itapoã, no Espírito Santo, os itens eram gratuitos.

Praia das Pitangueiras

 

2. Leve suas refeições

Espetinhos, porções, pastel, lanches, picolés, biscoitos e doces estão à disposição na areia da praia, mas se quiser economizar evite essas tentações. Os preços são altíssimos e uma das principais causas do rombo no orçamento após um passeio na praia.

A opção é levar de casa alguns lanchinhos para comer ao longo do dia, como sanduíches (evite requeijão, maionese e margarina, que podem azedar), frutas, saladas, barras de cereais, salgadinhos e bolachas doces para crianças.

Evite comidas pesadas, que são indigestas e podem provocar mal estar, além de serem difíceis de armazenar. Se estiver com crianças a dica é negociar com os pequenos para não extrapolar os gastos.

18 produtos indispensáveis para o verão por até R$ 70

3. Faça do isopor e do cooler seus melhores amigos

Assim como as refeições, as bebidas (principalmente a cerveja) também são superfaturadas na praia, e mais uma vez a ideia é passar no supermercado antes e levar seus bons drinques em coolers, bolsas térmicas e isopor. Só não vá se esquecer do gelo, ok?

Água é item indispensável para a praia. Encha garrafinhas em casa e congele-as para que sirvam tanto como gelo como quanto bebida conforme forem descongelando. Sucos refrescantes, águas saborizadas, água de coco e, claro, cervejas também não podem faltar.

Cooler na Praia

 

4. Traga sua cadeira e guarda-sol de casa

Como dissemos, o aluguel de cadeiras e guarda-sóis pode tanto ser gratuito quanto custar caro – tudo depende da praia para onde você viajar. Mas para não correr o risco de precisar desembolsar R$ 12 para se proteger do sol leve seus itens de casa. Eles vão ocupar mais espaço no bagageiro, mas também serão alternativas mais econômicas.

Se não tiver sua própria cadeira e guarda-sol peça emprestado de um amigo ou parente e devolva depois em boas condições. E não se esqueça de levar esteiras e cangas para deitar na areia, caso contrário esse será mais um item a comprar quando chegar à praia.

5. Negocie com os ambulantes e barraquinhas

Não teve jeito, você até levou suas refeições, mas o cheiro de camarão frito falou mais alto e você cedeu. A saída é negociar até conseguir um bom preço para ambos os lados.

Peça meia porção, converse, faça amizade, fale dos seus planos e explique que está na pindaíba. Se for passar mais de um dia na praia combine de voltar a comprar com ele caso faça um bom preço. No fim, se não der certo, procure por outros vendedores - o que não faltam são pessoas interessadas em lucrar na praia.

Ambulantes

 

6. Divida os custos

Viajar em grupos grandes traz muitas vantagens do ponto de vista financeiro. Afinal, quanto mais pessoas participam mais pessoas racham o custo da gasolina, da hospedagem e das porções na beira da praia.

Combine com um grupo de amigos ou com a família toda de fazerem uma viagem de fim de semana e mostre que quanto mais pessoas menor será o custo individual. Dependendo de quantos toparem vocês podem até alugar uma van e negociar o preço com o motorista para ficar mais em conta.

Veja também: 

Gostou? Compartilhe!
Na Web:

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar