10 detalhes que deixam os carros mais caros

Antes de adquirir um item opcional, convém saber o que mais influencia no preço final dos carros e suas versões.

10 detalhes que deixam os carros mais caros
Conheça os opcionais que mais encarem os carros

As montadoras há muito tempo produzem versões de seus modelos, com o intuito de garantir maior participação no mercado e, consequentemente, aumentar suas vendas. Um bom exemplo é o Fiat uno, que já na década de 1980 era vendido em versões Station Wagon (Fiat Elba), Sedã (Fiat Prêmio) e com motores 1.3, 1.5 e 1.6.

A GM era representada pelo Chevette, que tinha sua versão hatch e com motores 1.6. 1.6 turbo e 1.8 – o 1.0, conhecido como Junior, só viria um pouco depois. Com o tempo, a quantidade de versões e opcionais só fez aumentar, e hoje há modelos que contam inclusive com conexão à internet.

O que pode deixar o carro mais caro?

Como o próprio nome sugere, são itens à escolha, e se o motorista quiser contar com algum deles, terá que arcar com os custos. Entre os 10 opcionais que podem encarecer o preço final do veículo, temos:

Motor

A primeira medida que torna o preço de um carro mais caro é a cilindrada de seu motor. As versões mais comercializadas ficam entre 1.0 e 2.0, embora existam motores até mais potentes. Esses números equivalem ao volume contido dentro dos quatro (ou oito) cilindros dentro do motor, por isso, quanto maior o volume, maior sua potência. A clássica Uno, por exemplo, em sua versão 1.0, custa cerca de R$ 29 mil, já na versão top de linha motor 1.4, o preço pula para aproximadamente R$ 46 mil.

dirija o
carro dos 
seus sonhos

agende um test drive

Ar condicionado

Um dos itens opcionais que mais impactam no preço final de um carro, o ar condicionado certamente é um dos mais valorizados recursos em países ensolarados como o Brasil. A importância que se dá ao ar é tanta, que em modelos como o Volkswagen up! só contam com ar condicionado em sua versão top, que custa cerca de R$ 43 mil. Já a versão básica do carrinho sai a cerca de R$ 31 mil.

Cor

Muito levada em consideração por causa da influência que exerce na hora da revenda, a cor do veículo é um elemento que pode elevar seu preço, dependendo da escolha. Isso faz da cor uma verdadeira moeda de troca e, se não estiver na moda ou apresentar baixa procura, o preço do carro será diretamente afetado. A cor branca, uma das mais requisitadas no mercado brasileiro, pode aumentar o preço de um carro em aproximadamente R$ 300. Uma dica é saber qual a cor que está mais na moda, para sofrer mínima depreciação.

Portas

Um carro com duas portas pode ser valorizado por motoristas que privilegiam a esportividade, mas no geral são os de quatro portas os mais caros. Voltando ao exemplo da Fiat Uno, sua versão de entrada com duas portas, custa aproximados R$ 29 mil, enquanto a equipada com quatro portas mais barata sai por R$ 37 mil.

Os 10 carros que fazem mais quilômetros por litro

Conectividade

Em tempos de celulares permanentemente ligados à internet, não é de se estranhar que os veículos também passem a ser verdadeiros modens ambulantes. No Volkswagen Gol, se um motorista quiser garantir internet no veículo, terá que desembolsar R$ 2.500, e isso se adquirir compulsoriamente a versão limitada Conect, na cor azul lagoon, que custa salgados R$ 1.310.

Itens de direção e estacionamento

Considerados itens opcionais por excelência, comprar um carro equipado com itens como sensor de estacionamento, detector de ponto cego, controle de assistência em ladeira e outros pode sair bem mais caro. No Kia Sportage a versão de entrada, sem nenhum tipo de acessório de apoio à direção sai a cerca de R$ 109 mil, já a versão que vem equipada com todos esses itens custa por volta de R$ 134 mil.

Itens de segurança internos

Com os avanços na legislação relativos à segurança, alguns itens se tornaram quase obrigatórios. Um bom exemplo são as cadeirinhas para crianças, em alguns carros oferecidas como opcionais. O Honda Civic é um deles, e pode ser adquirido com uma cadeirinha infantil DUO plus por mais R$ 3.088.

Tipo de combustível

Embora a maioria dos carros de passeio hoje sejam bicombustíveis, existem variações que podem aumentar seu preço final. Um exemplo disso é o Jeep Renegade, cuja versão a diesel de entrada custa R$ 99.900, ao passo que sua versão básica de entrada flex custa R$ 68.900.

Os 40 carros usados mais vendidos de 2016

Direção hidráulica

Outro item que já faz parte da maioria dos carros em suas versões de entrada, a direção hidráulica ainda pode ser adquirida como opcional em alguns modelos como o Mobi, que só conta com o recurso em sua versão Easy On, pelo qual o motorista precisará desembolsar mais R$ 2 mil, vindo junto a o ar condicionado.

Vidros elétricos

Também equipando a maior parte dos carros em suas versões de entrada, os vidros elétricos são opcionais em alguns modelos. Também no Fiat Mobi, o recurso só é oferecido opcionalmente na versão top de linha, podendo fazer com que o preço do carro pule de R$ 39 mil para R$ 43 mil.

Faça um test drive sem custos e sem compromisso. Agende já!

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar