10 tipos de negócios à prova de crise

Apesar da crise financeira, muitos negócios apresentaram crescimento neste ano e têm projeções otimistas para o futuro. Conheça empresas e setores promissores em 2015.

10 tipos de negócios à prova de crise
Empresas e setores que aumentaram faturamento durante crise financeira

Nós estamos vendo diariamente nos jornais que por causa da crise financeira a economia do Brasil está mal. O desemprego e a inflação estão em alta e segundo a previsão da ONU, o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil deverá reduzir cerca de 1,5% em 2015.

Assustados com o período de queda do crescimento econômico do país, muitos brasileiros pensam que é um mal momento para fazer negócios no país. Mas a realidade não é bem essa. Há setores que conseguem escapar da crise financeira e apresentam alta no faturamento mesmo no período de crise.

Parece impossível? A estratégia dessas empresas é a negociação dos preços, investimento em marketing e na diversificação dos produtos. Confira 10 negócios que conseguem fugir da crise financeira e apresentam crescimento no Brasil.

Quais setores são “à prova de crise”

Vários setores possuem exemplos de negócios que estão conseguindo sobreviver à crise financeira e aumentar o faturamento, citamos aqui os que têm tido melhor desempenho:

  • Alimentação: os negócios de alimentação que têm tido maior movimento financeiro positivo são: alimentação saudável, food trucks e sobremesas gourmet.
  • Tecnologia e eletrônicos: esse mercado cresce no mundo inteiro. Novos aparelhos, softwares, programas e ferramentas para uso digital tem tido saída e crescimento no país.
  • Reformas e reparos: em tempos de crise, o consumismo do “estragou? Compra outro” começa a ficar um pouco de lado. Aliado à consciência ecológica, a procura por reparos em vestuários, tecidos e aparelhos eletrônicos aumentou. Quem investiu nesse setor está vendo seu faturamento multiplicar. Até mesmo em imóveis, nada de comprar casa nova, melhor reformar.
  • Delivery: conseguir realizar toda e qualquer ação no conforto de sua casa é uma premissa tentadora nos dias de hoje. Delivery de tudo tem feito sucesso: de flores, de pão, de documentos à cartório e mais uma infinidade de entregas têm tido crescimento.
  • Vestuário, acessórios e produtos de beleza femininos: novos produtos têm tido lugar no mercado e crescimento no consumo das mulheres. Novidades atraem o público feminino mesmo em tempos de crise.
  • Inspire-se, vejas as franquias brasileiras de sucesso no exterior


Os negócios que escaparam da crise financeira


1. Megamatte

crise financeira


Franquia de alimentação saudável que já está há 21 anos no mercado e viu seu público consumidor aumentar e muito nos últimos tempos. Atualmente a empresa já tem 119 unidades espalhadas por 7 estados do país.

Lucro: a empresa teve em 2014 crescimento de 17% e prevê para 2015 um aumento ainda maior, de 20%.

Qual o segredo? A empresa buscou reduzir custos através de negociação com fornecedores. Se os valores continuassem como estavam, a empresa entraria em declínio e teriam de fechar unidades e reduzir compra dos fornecedores. Com a negociação e redução de custos, novas unidades abriram e os fornecedores também ganharam com isso. Todos acabaram lucrando.

2. My Gloss

Essa franquia de acessórios femininos apostou no venda de peças produzidas nacionalmente em um mercado onde a maioria dos acessórios são importados. A iniciativa deu certo, e hoje são 45 unidades espalhadas pelo país com ambição de abertura de mais 30 até o fim do ano.

Lucro: o aumento do faturamento da My Gloss começou em 2014, quando tiveram cerca de 21 milhões de reais de lucro. Para 2015, a expectativa é chega a 35 milhões de reais

Qual o segredo? Com o dólar e euro em alta, importar peças e acessórios tem sido desvantajoso. A aposta no produto nacional barateou os custos e tornou os acessórios mais baratos tanto para a empresa quanto para as consumidoras. Em tempos de crise, não se pode comprar muitas roupas, então o investimento em acessórios ajuda a trazer novos looks para o público feminino.

3. Just Digital

crise financeira


A Just Digital é uma empresa de gestão de conteúdo e informação parceira do Google. A empresa tem hoje 60 funcionários e aposta na manutenção da sua equipe para enfrentar a crise. Muito trabalho tem feito o rendimento crescer sem precisar optar por demissões.

Lucro: A jovem empresa teve faturamento de 7 milhões de reais em 2014 e espera alcançar 10 milhões em 2015

Qual o segredo? Apertar os custos e trabalhar com ferramentas que geram economias para outras empresas. Economizar é tudo que o mercado precisa, então essa equipe tem tido trabalho suficiente para manter, mesmo com dificuldade, a mesma equipe unida. Quando a crise abrandar, a equipe estará formada e a todo vapor, enquanto outras empresas que optaram por demissões precisaram contratar e treinar funcionários.

Saiba como se tornar um empreendedor de sucesso 

4. Rapiddo

O setor de entregas tem crescido muito no país, e junto com ele o número de reclamações também cresceu. Demora na entrega é a principal queixa. O Rapiddo criou um sistema de delivery que tem agradado os consumidores e ganhado o mercado.

O Rapiddo atua num modelo com entregadores em nuvem, fazendo com que o cliente seja atendido pelo entregador mais próximo. Os pedidos e o pagamento são feitos online, e o cliente pode acompanhar o pedido em tempo real. Assim tudo é feito mais rápido e o entregador não precisa se preocupar com o pagamento, só com a entrega.

Hoje a empresa atua nas regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Belo Horizonte e Campinas e faz cerca de 30 mil entregas por mês.

Lucro: com 50 funcionários trabalhando a empresa teve faturamento de 1.2 milhões de reais no ano passado. A expectativa para esse ano é ambiciosa, procura-se faturar 6 milhões de reais.

Qual o segredo? Preços competitivos e qualidade do serviço. Com os motoqueiros mais próximos dos clientes a se deslocar, o gasto de tempo e combustível reduziu muito. O treinamento dos funcionários aumentou a satisfação dos clientes. Houve também a criação de um aplicativo para ser usado por empresas de entrega, e ainda a possiblidade de seu serviço ser usado por e-commerces, permitindo uma entrega mais rápida para esses clientes.

5. Flores Online

crise financeira


Quem nunca precisou agraciar alguém de última hora com uma flor ou um presente? Um aniversário que tinha esquecido, um dia das mães que não deu tempo de ir ao shopping ou um aniversário de casamento lembrado em última hora. O Flores Online investe na entrega de flores e presentes desde 1998.

Lucro: A empresa faturou 40 milhões em 2014 e espera crescer 25% em 2015

Qual o segredo? Manutenção dos preços, segundo a o CEO da Flores Online repassar aumento de gastos para os consumidores em momento de crise é perder clientes. O investimento em kits personalizados e exclusivos para empresas em datas comemorativas também tem ajudado no crescimento da empresa. Outra nova modalidade é o AdSales, com kits que misturam flores e presentes com itens de marcas como Air Wick e Johnnie Walker.

6. Clear Clean

Em tempos de crise financeira, poucas são as famílias que podem custear ter o serviço de empregadas domésticas trabalhando 5 ou 6 dias da semana.É nesse contexto que a Clean Clean ganha clientes: trazendo serviços de limpeza eficientes com preço justo. A empresa foi fundada em 2013 e hoje tem 17 franquias em funcionamento e 3 que serão inauguradas até setembro de 2015.

Lucro: quem disse que faxina não dá dinheiro? Dá sim, e muito. A empresa teve rendimento de 1.3 milhões de reais em 2014 e pretende aumentar o faturamento para 4 milhões em 2015.

Qual o segredo? O preço e inovação nos serviços. Com a PEC das Domésticas as empresas de limpeza residencial e comercial tiveram aumento de produtividade, e o incremento de serviços como o de limpeza e impermeabilização de estofados e limpeza carpetes atrai clientes.

Veja também: 6 cursos gratuitos sobre como abrir seu próprio negócio

7. Espetinhos Mimi

crise financeira


Lanche rápido é o que muita gente precisa quando está com pressa. Os Espetinhos Mimi já estão no mercado há 45 anos oferecendo churrascos de palito e o crescimento da franquia está acelerado. Hoje tem 70 unidades em funcionamento em 12 estado brasileiros e 13 novas unidades serão inauguradas em breve.

Lucro: Em 2014, o grupo faturou cerca de 70 milhões de reais. Para este ano, a expectativa é crescer 15%.

Qual o segredo? A aposta em modelos de franquia que requerem um investimento inicial menor. Para ter uma franquia da Espetinhos Mimi o investimento começa em 35 mil reais. A modalidade de “carrinho” também tem ajudado a empresa a crescer e feito sucesso em grandes eventos como Rock in Rio e Olimpíadas.

8. Betalabs

Mais um do setor de tecnologia, o Betalabs é uma empresa atua na gestão de comércio eletrônico e trabalha com e-commerce e software na nuvem. Mercado novo e com crescente expansão. A empresa é jovem e possui 35 funcionários na equipe, mas a projeção de crescimento é de empresa grande.

Lucro: Em 2014, o faturamento foi de 4 milhões de reais. Para este ano, a expectativa é crescer para 7 milhões.

Qual o segredo? Parcerias. A Betalabs firmou parcerias com agências digitais que passaram a tomar conta da aparência e layout dos sites de e-commerce da empresa, assim eles puderam focar naquilo que são bons: fornecimento de tecnologia para a gestão.

9. Sweethings

crise financeira


Essa jovem empresa de sobremesas não só está sobrevivendo à crise como já nasceu em tempos de crise. Fundada em janeiro de 2015, a doceria foca suas vendas para restaurantes, mas também aceita encomendas de consumidores finais. Hoje opera com 7 funcionários e tem números de faturamento invejáveis.

Lucro: O investimento inicial foi de 300 mil reais e a previsão para o fim do ano é chegar a um faturamento de 1 milhão de reais, o que é impressionante. Só no primeiro mês de vendas, a empresa lucrou 10 mil reais. Para 2016, a ambição é fechar o ano com faturamento de 3 milhões.

Qual o segredo? Preço. Para o fundadora da empresa, não praticar preços exorbitantes e reduzir custos com embalagens mantendo a qualidade dos doces têm ganhado a confiança e o gosto dos clientes. A próxima aposta é investir em delivery.

10. Printi

Quem tem que trabalhar com gráficas sabe da dor de cabeça que costuma ser. Dois alemães vieram para o Brasil para trazer um modo simples, prático e eficiente de gráfica online que ganhou o gosto dos brasileiros. A empresa afirma que se destaca pela praticidade e baixo custo para o consumidor. Hoje, são 80 funcionários contratados, e o desejo é chegar a 130 até o fim do ano.

Lucro: A empresa faturou 12 milhões de reais no ano passado, e espera ganhar mais que o dobro neste ano, chegando à marca dos 30 milhões.

Qual o segredo? Preços competitivos, limitação da variável de produtos e otimização da produção. Fatores que aliados diminuiram os custos e aumentou a demanda de material e de clientes. Outro fator decisivo foi não ter um mínimo de impressões e não aumentar o valor para impressões em pequenos números. As gráficas tradicionais trabalham dessa maneira e estão perdendo clientes para quem sabe lidar com a necessidade de redução perante a crise financeira.


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar