7 dicas para salvar sua carreira da crise econômica

Quais são os setores mais afetados pela crise econômica e quais estão imunes? Confira também dicas para manter seu emprego.

7 dicas para salvar sua carreira da crise econômica
Dicas de como enfrentar a crise econômica e manter-se empregado

SUA VAGA
DE EMPREGO ESTÁ AQUI
consulte já

Em tempos de crise econômica mundial, as preocupações com a saúde financeira tornam-se tema recorrente nas conversas cotidianas dos cidadãos brasileiros. Seja porque já foi afetado pela crise e hoje encontra-se em dificuldade financeira ou porque teme perder o emprego e ver sua renda diminuída, a pane financeira tem atingido os mais diversos segmentos da sociedade. Para lidar bem com a crise econômica, fugir dela ou não deixar que ela te abata, especialistas recomendam ações práticas que podem garantir sua estabilidade.

Elas estão aqui divididas em dois setores: dicas para quem teme ficar desempregado por causa da crise e dicas para quem já está desempregado e precisa se livrar da dificuldade financeira, confira.

Fugir da crise ecônomica e gerenciar a carreira

Por causa da crise, muitas empresas precisam cortar gastos e acabam por ter que despedir parte dos seus funcionários para que não vá a falência e consiga se reerguer. Se a empresa em que você trabalha tem sofrido com a crise e você sente que haverá demissões, atenção às dicas:

Seja o mais eficiente possível

Exerça a sua função com excelência. Mostre aos seus superiores que você é imprescindível para a empresa, os menos eficientes são os primeiros a serem cortados.

OPORTUNIDADE DE EMPREGO
O E-Konomista não brinca em serviço, e vai te ajudar a encontrar a oportunidade certa. Faça o cadastro gratuitamente e receba vagas no Brasil e no exterior.

1. Trabalhe em equipe

Os funcionários que trabalham bem em equipe têm maior chance de se manter empregados, pois, unidos, eles formam um organismo que faz a empresa funcionar. Sem um dos braços desse organismo, a empresa deve se complicar. Portanto, quanto mais puder compartilhar tarefas, ajudar colegas e manter um trabalho em equipe, melhor para manter seu emprego.

2. Seja inovador e aceite feedback

O funcionário que procura trazer inovações que otimize o seu trabalho e de seus colegas é o tipo mais requisitado do mercado. Procure saber, fique atualizado e sugira inovações. Mesmo que elas não sejam acatadas, só a disposição de querer ajudar é um fator positivo. E aceite feedback, não feche a cara se ele não for como você esperava. Uma crítica é uma oportunidade para fazer melhor da próxima vez.

3. Seja flexível

É recorrente que mudanças aconteçam na empresa frente à crise econômica. Com colegas sendo despedidos e demanda de trabalho aumentando, pode ser que seja necessário que você faça horas extras ou precise trocar expedientes. Tente ser flexível e tenha cautela ao negociar com seus superiores, essa ajuda deverá ser recompensada com a estabilização financeira da empresa.

4. Evite reclamar


Principalmente com colegas de trabalho. Falar mal da quantidade de horas trabalhadas, do salário, ou mesmo da eficiência (ou ineficiência) de um outro colega pode te colocar em maus lençóis. Ao falar mal da empresa ou dos chefes, as informações correm rápido e pode chegar até o ouvido de quem escolhe quem é que vai ser demitido. Fuja dessa lista, se quiser desabafar procure amigos, família ou terapia, mas controle-se no ambiente de trabalho. 

5. Seja positivo

A energia positiva é contagiante, portanto se você traz satisfação e calma a seus colegas, você será parte importante da empresa. Se alguém vier com atitude negativa, tente fazê-lo encontrar o lado bom de qualquer situação. Você será lembrado como alguém que equilibra os ânimos no escritório.  

6. Não se atrase

Esse é um problema recorrente em todos os setores do mercado de trabalho: funcionários atrasados, que tiram horas de almoço maior do que deveriam, pedem muitas licenças médicas, que saem antes do fim do expediente. Não adianta ter todas as características positivas acima se não for pontual. Trabalhe sua pontualidade e adiante o relógio em alguns minutos para que esteja sempre na hora certa.

7. Participe das confraternizações da empresa

Pode parecer bobagem, mas quem faz parte de uma empresa deve tentar fazer parte também dos momentos de lazer entre os funcionários. Festas de fim de ano, almoços e aniversários devem fazer parte de sua agenda.

Dicas para sair da crise financeira e voltar a trabalhar


Se você já se encontra em situação econômica complicada, é preciso ter muita cautela e paciência para estabilizar e reerguer sua conjuntura financeira.

Se você tem dívidas pendentes, o primeiro passo é tentar quitá-las. Com as contas em dia, fica mais fácil conseguir sair da crise, conseguir empréstimos para reeguer ou abrir o seu negócio, e até para dormir tranqüilo e conseguir ter inteligência financeira em seus atos. Se está endividado, confira aqui 7 dicas para ficar livre delas.

Saiba como começar a organizar para melhorar sua situação econômica:


Reorganize-se financeiramente – fazer uma análise do seu real orçamento é o primeiro passo. Coloque no papel todos os seus gastos: não apenas as contas de água, luz, telefone, celular etc., mas também as despesas com compras para a casa, vestuário, alimentação e medicamentos. Leve tudo em consideração. Você só terá controle sobre os seus gastos quando souber para onde vai cada centavo do seu dinheiro. 

Corte despesas – por mais que seja difícil, é preciso reduzir gastos. Muitos itens do nosso dia são dispensáveis e consomem boa parte do ordenado mensal. Para equilibrar-se com pouco dinheiro ou recebendo um seguro desemprego é preciso reduzir o padrão de vida para não ficar endividado. Cada família tem usos diferentes de bens supérfluos: reduza ou elimine o pacote de TV a cabo, opte por produtos de menor valor no supermercado, reduza nas contas da casa (de luz, água e telefone), procure fazer refeições em casa, que é mais barato, evite visitas ao shopping com cartão de crédito etc.

Peça apoio aos membros da família - não adianta passar aperto financeiro sozinho e não contar nada à família. Eles irão continuar gastando como se a situação financeira estivesse normal. O melhor é pedir a colaboração de todos. Coisas simples como reduzir o tempo de um banho ou ao telefone não irá prejudicar ninguém e poderá diminuir consideravelmente os custos.

Procure fontes alternativas de renda - se você está desempregado e já está buscando uma colocação no mercado há algum tempo sem sucesso, talvez seja hora de pensar em fontes alternativas de renda. Algum outro setor que você tenha habilidade ou que pode ter suas experiências anteriores como um diferencial. Amplie seu leque e procure em outras áreas. Outra opção é contar com a colaboração dos outros membros da família (esposa ou esposo, filhos em idade de trabalho) para reoganizar as contas da casa e conseguir manter uma estabilidade financeira.

Especialize-se - muita gente tem preguiça de voltar a estudar depois de muitos anos de mercado de trabalho. Quem não tem, ingressa mais rápido num cargo melhor. Ter maiores formações aumenta a possibilidade de ser contratado. Há cursos como os do SEBRAE quem aumentam sua potencialidade e pode ser decisivo na hora de procurar uma vaga.

Procure vagas no exterior – se está difícil conseguir vagas de emprego e você não quer mudar de setor, por que não tentar vagas em outros países? Há setores que estão lotados no Brasil mas há carência de profissionais no estrangeiro. Portanto, vale a pena investir numa carreira no exterior. Avalie as possibilidades e os ganhos. Ficar no Brasil sem ter renda suficiente para se manter e manter sua família não é justificável, além disso, uma experiência no exterior pode tornar mais fácil conseguir uma boa vaga aqui no país.


Vídeo inspirador sobre como sair da crise econômica e hoje ter uma empresa de sucesso:



Setores menos afetados pela crise

A crise econômica parece generalizada? Pois saiba que há setores que não sentiram os efeitos da crise e pelo contrário, estão crescendo no mercado brasileiro. Confira os mercados que são (quase) imunes à crise:

1. Beleza/cosméticos/estética  aumento do consumo de produtos e serviços de beleza garantiram crescimento de 11,8% no ano passado nesse setor

2. Ramo alimentício  já reparou que todo dia abre uma franquia de comida diferente em casa shopping? As franquias internacionais de comida têm tido crescimento e avanço econômico todos os anos. Além disso o consumo nos supermercados também aumentou.

3. Ramo de energia a crise energética fez crescer a demanda por profissionais altamente qualificados para trabalhar no setor

4. Turismo – turismo aquecido pela alta do dólar, favorecimento do turismo nacional

Setores mais afetados pela crise


1. Construção a redução dos investimentos em grandes projetos infraestrutura está afetando o mercado de trabalho da construção civil. A atual situação financeira de parte das empresas do setor de construção mostra um baixo nível de caixa e um alto nível de imobilização do capital.

2. Indústria  principalmente a automobilística. Um levantamento da Fiesp mostrou que no ano passado a indústria paulista teve uma perda de 128 mil postos de trabalho. Além do setor automotivo, também teriam contribuído para essa sangria de vagas as demissões nos setores de máquinas e equipamentos (22 mil postos fechados), metalurgia (13 mil) e vestuário (10 mil).

3. Petróleo há alguns anos, essa era considerada uma das áreas mais promissoras para se construir uma carreira, em função dos planos de investimento no pré-sal e os altos preços do petróleo. Agora, com a queda do petróleo e crise na Petrobras - que tem afetado duramente fornecedores e prestadores de serviço da estatal -, as perspectivas do setor são incertas.

Aprimore o seu inglês e dê um up na sua carreira. Faça um teste online.


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar