O que você deve saber antes de comprar uma casa em 2016

Comprar casa em 2016 pode não ser um bom negócio para quem pretende financiar em 360 meses. Veja por quê.

O que você deve saber antes de comprar uma casa em 2016
É hora de financiar ou de investir? Entenda

Com um cenário econômico conturbado e cheio de dúvidas, a confiança no consumidor por parte das instituições financeiras tende a sofrer uma queda. Com isso, os juros de financiamento de um imóvel tendem a subir, ficando muito acima dos valores do aluguel. Até a Caixa anunciou uma alta na taxa de juros para a contratação de financiamentos a partir de novembro de 2015. E agora, vale a pena investir num imóvel? Quem quer comprar uma casa em 2016 deve avaliar alguns pontos antes de fechar um financiamento.

Comprar casa em 2016: O que colocar na balança?

O índice FIPEZAP é fruto de uma parceria entre a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas e o Zap Imóveis. Mês a mês, eles calculam a variação no preço médio do aluguel e da compra de imóveis nas principais capitais do Brasil usando a base de dados do Zap Imóveis como fundamento para os cálculos das variações. A pesquisa pode ser feita também por bairros.

O cenário imobiliário do Brasil

Entre os anos de 2008 e 2011, o cenário era extremamente favorável para a aquisição de imóveis, especialmente para quem queria investir: comprar na planta e vender. Só nesse período, o índice FIPEZAP registrou variação de 100% entre os valores de venda para São Paulo. Hoje, a realidade é mais tímida e quem pretende investir num imóvel pagando à vista não vai receber tanto quanto na época.

Comprar casa em 2016: financiar ou investir

Para quem quer investir na casa própria financiando o valor, talvez também não seja o melhor momento. Isso porque, num cenário econômico de crise, aumenta a restrição ao crédito imobiliário e as taxas de juros tendem a subir muito, fazendo com que valha mais a pena investir o valor da entrada e das parcelas.

O dinheiro sempre vai valer mais na data atual

Danilo Costa, especialista em mercados financeiros, explica por que vale mais a pena aplicar agora o valor em investimentos do que encarar as prestações do financiamento:

Com as taxas de juros muito altas, investir num título público ou CDI pode compensar muito mais. Enquanto os juros do financiamento rondam os 11% ao ano, o investimento em Letras do Tesouro Nacional paga até 15.7% ao ano, o que rende muito mais do que perder dinheiro num financiamento”. Aqui vai uma explicação feita pelo especialista, baseado em taxas atuais de financiamento e em dados do FIPEZAP:

Cenário 1: Comprar um imóvel com financiamento em 360 meses

Supondo que você vá comprar hoje um imóvel de R$ 600 mil e dará entrada de R$ 100 mil com financiamento em 360 meses, com valores de parcelas decrescentes mês a mês, o valor da primeira parcela será de R$ 5.000. No final de 30 anos, você terá pago R$ 1,15 milhão pelo financiamento de R$ 500 mil.

Investimento: R$ 600 mil
Financiamento: R$ 500 mil
Valor da primeira parcela das 360: R$ 5.000,00
Valor total pago ao final de 360 meses: R$ 1,25 milhão
Taxa de juros: 11% ao ano

Cenário 2: Alugar um imóvel na mesma região e investir o valor da entrada e parcelas, descontando o aluguel

Em outro cenário, considerando que você resolva investir o valor da entrada em num investimento CDI (já descontando no IR anualmente), você vai precisar aplicar mensalmente no fundo de investimentos o valor que pagaria numa parcela de financiamento menos o valor do seu aluguel. Veja a conta:

Investimento inicial no CDI: Entrada = R$ 100 mil
Valor da primeira parcela se fosse financiar: R$ 5.000,00
Valor do primeiro aluguel na mesma região: R$ 2.300,00
Valor da primeira aplicação mensal no CDI: R$ 5.000 – R$ 2.300,00 = R$ 2.700,00
Valor do mesmo imóvel de R$ 600 mil ao final de 156 meses: R$ 960.000,00
Valor que você terá ao final de 156 meses: R$ 969.000,00
Rendimento do investimento: 12% ao ano

Comparando os cenários

Se você tivesse optado pelo cenário 1 e financiasse R$ 500 mil em 30 anos, ao fim de 156 meses, teria pago apenas R$ 283.333 do financiamento. Por outro lado, se aplicasse o valor da entrada, pagasse o aluguel e depositasse o restante do que pagaria numa parcela do financiamento mensalmente no CDI, teria R$ 969 mil e poderia comprar o mesmo imóvel à vista ao final de 13 anos. Ainda assim, se o valor permanecesse aplicado por 30 anos, período em que pagaria o financiamento, você teria R$ 7 milhões, contando com o aluguel. Já consideramos na conta um reajuste fixo de 8% ao ano para o aluguel e uma valorização de 4% ao ano no valor presente do imóvel. Bom, não?

Dá para pagar o aluguel e juntar dinheiro para comprar à vista

Não é a melhor hora para comprar uma casa em 2016. Mas, quem tem dinheiro para a entrada pode aplicá-la em CDI com taxa pré-fixada e fazer um aporte mensal do valor que pagaria numa parcela, já descontando o valor que você vai usar para pagar o aluguel na mesma região que quer comprar o imóvel. Ter uma casa própria parece obrigação do brasileiro, talvez por uma imposição cultural. Mas dá para segurar a barra e viver de aluguel por um tempo até que os investimentos somem o suficiente para pagar um imóvel à vista, não é mesmo? Conhecer o mercado financeiro é essencial para saber o que vale mais a pena. Portanto, comprar uma casa em 2016 só vai valer a pena para quem vai pagar à vista.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Gabriela Ventura Gabriela Ventura

Natural de São Paulo, estudante de Publicidade e Propaganda na USP. Não tem hobbies fixos nem rotina, é apaixonada pelo imprevisto. Foi fazer intercâmbio em Lisboa e... estendeu a estadia por tempo indeterminado.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar