Como funciona o seguro de vida

O seguro de vida é um contrato entre um segurado e uma seguradora para indenizar financeiramente os beficiários do segurado em caso de morte ou invalidez. 

Como funciona o seguro de vida
O que é e como funciona o seguro de vida

Ninguém gosta de pensar que pode, um dia, partir dessa para uma melhor por qualquer que seja o motivo. Não costumamos nos preocupar com esses assuntos, até que eles nos pegam de surpresa. É por isso que o seguro de vida é um serviço tão pouco discutido, divulgado e tão chato de se falar. Se a temida morte é a única certeza que temos, pode ser que o seguro de vida seja um bom “investimento” para manter a saúde financeira dos beneficiários indicados. Tire as suas dúvidas sobre o seguro de vida, sem medo e sem compromisso, nesse artigo.

Como funciona um seguro de vida

O seguro de vida é um contrato feito com seguradora registrada na Susep em que o segurado garante uma indenização aos familiares e dependentes em caso de falecimento. Por padrão, a cobertura da maioria dos seguros de vida é para morte acidental, e o segurado poderá adicionar coberturas extra, se achar necessário. Conheça abaixo algumas coberturas do seguro de vida:

  • Morte;
  • Morte por acidente;
  • Invalidez permanente ou total ou parcial por acidente;
  • Invalidez permanente total por acidente;
  • Invelidez permanente por acidente majorada;
  • Invalidez Funcional Permanente total por doença;
  • Invalidez Laborativa Permanente total por doença;
  • Despesas médicas, hospitalares e odontológicas;
  • Diárias de incapacidade temporária;
  • Diárias por intervenção hospitalar;
  • Doença grave.

Vale a pena?

Por ser uma forma particular de garantir a saúde financeira dos beneficiários após o seu falecimento, parece uma ideia razoável. A parte mais interessante é que, diferentemente das questões de herança, no seguro de vida dá para nomear beneficiários diferentes do cônjuge e filhos ou dependentes: o segurado tem liberdade total para nomear como beneficiário quem ele bem entender, sem necessidade de o prêmio do seguro entrar para a partilha após o seu falecimento, se assim o quiser. Mas é importante indicar os beneficiários à seguradora no momento da contratação. Também dá para trocar os nomes dos beneficiários sempre que quiser.

É claro que uma despesa mensal com o seguro de vida não é animadora para quem está vivo e tem que pagá-la. Mais uma vantagem que pode motivá-lo a começar a pensar em contratar um seguro de vida é a assistência oferecida em vida, como o recebimento total ou em parte do prêmio do seguro em caso de invalidez permanente, indenização aos beneficiários durante o período em que você se encontrar no hospital ou incapacitado de trabalhar temporariamente e até o pagamento das despesas funerárias, em alguns casos.

Por outro lado, algumas seguradoras agem de má fé e pedem que o segurado a informe em caso de qualquer problema de saúde que venha a ter. Quando informa e a doença tem alto potencial de fatalidade, a empresa rescinde o contrato pouco tempo depois, para não pagar o prêmio caso haja alguma eventualidade negativa para o segurado. E, se o segurado omite a doença, pode negar o pagamento do seguro aos beneficiários, alegando que a doença não foi informada. Sempre que te oferecerem um seguro de vida, pergunte sobre esse detalhe e não corra riscos desnecessários.

Seguro de vida inteira

Se nada disso te animou, aqui vai uma dica melhor. Algumas seguradoras não fazem esse jogo e não agem de má fé. São mais cuidadosas: pedem que o futuro segurado faça exames de sangue e urina e “congelam” a saúde dele naquele momento. O pagamento mensal vai sair mais caro, mas compensa para não ter sustos e problemas com essas questões nos piores momentos possíveis.

Qualquer evento ou doença grave que ocorrer depois da data das análises não servirá como motivo para cancelamento da apólice. Os únicos motivos de ter um seguro de vida inteira cancelado pela seguradora são em caso de falta de pagamento ou por fraude. Esse seguro também pode ser chamado de seguro “resgatável”. Por quê? Vamos explicar.

Quando contrata um seguro de vida inteira, o segurado paga o mesmo valor pela manutenção da apólice durante todo o período da contratação. Isso faz com que, no começo, ele pague mais por um risco que ainda não existe e que só será compensado quando atingir determinada idade. Essa diferença entre o que o segurado paga e o que deveria pagar fica retida na seguradora, em nome do segurado. Quando ele atinge uma idade em que o risco é superior ao que paga, essa reserva é usada para cobrir as mensalidades subsequentes.

Caso queira cancelar o seguro após um período, o segurado da modalidade vida inteira pode resgatar a parte do valor que ficou na reserva pessoal, mas perderá toda a cobertura contratada para o seguro de vida.

Riscos não cobertos

Existem alguns riscos que não são cobertos pelas seguradoras no geral e não têm direito à indenização. De acordo com as normas da Susep, todos os riscos excluídos devem estar listados no contrato do seguro de vida. São eles:

  • Uso e manuseio de material nuclear, acidentes nucleares e semelhantes;
  • Atos e operações de guerra, rebeliões e tumultos;
  • Doenças preexistentes na contratação do seguro, não informadas no fechamento do contrato;
  • Prática de atos ilícitos dolosos por parte do segurado ou de seus beneficiários;
  • Lesão por esforço repetitivo (LER), doenças osteomusculares relacionadas ao trabalho (DORT), lesão por trauma continuado e semelhantes.

Seguro de vida cobre suicídio?

De acordo com o artigo 798 do Código Civil, foi determinada a carência de dois anos após a contratação do seguro para cobertura de sinistros cujo motivo tenha sido o suicídio do segurado. Antes desse período, no entanto, a cobertura não é válida. Para os efeitos de indenização, o seguro de vida será equiparado ao acidente pessoal.

Melhores empresas para contratar um seguro de vida


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Gabriela Ventura Gabriela Ventura

Natural de São Paulo, estudante de Publicidade e Propaganda na USP. Não tem hobbies fixos nem rotina, é apaixonada pelo imprevisto. Foi fazer intercâmbio em Lisboa e... estendeu a estadia por tempo indeterminado.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar