6 coisas que ficaram mais baratas no último mês

Uma lista de 6 coisas com preços mais baixos e 4 com preços mais altos no mês de julho. Confira!

6 coisas que ficaram mais baratas no último mês
O sobe e desce de preços em tempos de inflação

Inflação é palavra recorrente na vida do consumidor nos últimos meses e muito embora boa parte dos itens de bens de consumo tenham tido consideráveis altas de preço ultimamente há ainda produtos e serviços que apresentaram queda de custo no último mês, julho de 2016. O E-Konomista selecionou, portanto, 6 coisas que ficaram mais baratas e 4 coisas que ficaram mais caras no último mês.

Mais barato

Na lista abaixo, 6 itens de produtos e serviços que obtiveram queda de preço no último mês, julho de 2016.

Produtos agropecuários: Ainda que o setor de alimentos e bebidas tenha tido alta de 1,32% no período, produtos agrícolas como carne, arroz, milho, café, óleo e trigo atingiram um bom nível de produção e obtiveram queda no preço final de 2,62%.

Produtos de energia: Produtos como petróleo, gás natural e carvão, embora com uma alta anula de 3,91%, obtiveram uma considerável queda de custo no último mês, algo em torno de 3,63%. Destaque para energia elétrica com queda de preço de 1,04%.

Roupas e sapatos são itens básicos e de consumo constante, logo, com a diminuição do consumo nos últimos meses o setor atingiu queda de 0,38% de preços no mês de julho.

Lojas virtuais: Sempre com altos índices de venda o comércio virtual obteve uma queda de preços de produtos de forma geral - pouco menos de 1% - especialmente no setor de roupas. Além disso é cada vez mais alto o número de lojas virtuais que oferecem frete gratuito na compra de alguns produtos.

Cigarro: em julho o custo médio geral do maço de cigarro baixou 0,52% em relação aos meses anteriores.

Com o mercado estagnado o custo de moradias (para venda ou locação), principalmente para compra à vista, baixou quase 0,30% no último mês.

Mais caro

Ainda que encontremos queda de preços em diversas coisas importantes no dia a dia, o cenário geral é de inflação e os itens de consumo básico diário se mantém em alta nos últimos meses, seguem alguns exemplos.

Alimentação: Há alta de preços em diversos itens básicos de alimentação, mas damos destaque especial aos preços do leite e feijão nos últimos meses. A alta já observada por muitos consumidores - 17,58% no leite e 33,42% no feijão - representa uma alta geral no custo da cesta básica.

Transporte: De passagem aérea a ônibus urbano, as tarifas de transporte aumentaram nos últimos meses. No caso de passagens aéreas a alta quase chega a 15%.

Saúde: No mês de julho houve uma alta de cerca de 0,61% nos custos relacionados a saúde, estética e cosméticos.

Educação: Os custos com cursos convencionais ou extracurriculares tiveram alta de 0,04% nos últimos meses por conta da inflação.

Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Tabata Franco Tabata Franco

Paulistana, formada em Comunicação e Multimeios e em Produção de Áudio e Vídeo. Transita por produções e projetos nas áreas de cinema/vídeo, fotografia, redação e artes em geral. Comunicativa, ama a palavra, se encanta pelas linguagens.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar