Celular clonado: como descobrir a fraude e dicas de segurança

Quanto mais antigo é o seu aparelho, a tecnologia e o cartão SIM (chips), maior a probabilidade de ter o celular clonado. Confira algumas dicas para não cair em fraudes-   .

Celular clonado: como descobrir a fraude e dicas de segurança
Para não ter prejuízo com o celular clonado, acompanhe sempre a sua fatura e verifique as chamadas.

Ter o celular clonado não é tão raro como algumas pessoas pensam. A medida que os celulares vão se modernizando e novas tecnologias são agregadas aos aparelhos, novas técnicas fraudulentas passam a ser praticadas. Confira quais são as formas mais comuns de clonagem de celular e saiba como se proteger.

Como um celular é clonado?

Os criminosos procuram clonar aparelhos que utilizam tecnologia CDMA, o que significa que possuem números eletrônicos de identificação. Dessa forma, através de um scanner, a linha de um celular ligado é identificada e todas as informações do aparelho são copiadas.

Em caso de celulares GSM, aqueles que possuem IMEI (número de identificação internacional de aparelho móvel), só é possível realizar essa ação criminosa através da cópia do cartão SIM (já que as informações ficam registradas nesse dispositivo), o que torna a operação mais complicada.

Veja como consultar a operadora de celular.

Cartão SIM clonado via SMS

Se você possui um chip há mais tempo, fique atento aos sinais e evite a atualização do dispositivo a partir de mensagens supostamente enviadas pela operadora. Por utilizarem tecnologia mais antiga, alguns dispositivos podem ser criptografados através de uma mensagem e pronto: celular clonado.

O que acontece com o aparelho de celular clonado?

Ter um celular clonado significa que há outro aparelho que foi reprogramado para receber os códigos de um assinante habilitado, realizando as mesmas funções do seu. Ou seja, ambos passam a possuir o mesmo número de discagem e identificação de série do fabricante. Todos os serviços realizados pelo celular "clone" são contabilizados como se fossem do celular clonado. 

Consequências de ter um celular clonado

A maioria dos celulares clonados são de contas pós pagas. Ou seja, a surpresa chega ao final do mês, quando recebe uma fatura com valores exorbitantes e chamadas para lugares que você nunca ouviu falar ou mesmo para fora do país. Muitas vezes, inclusive, os celulares clonados são usados em outras ações criminosas. É preciso estar atento a qualquer suspeita. 

Como descobrir se o meu celular foi clonado?

Caso tenha dificuldades em completar ligações e comece a receber chamadas de cidades distantes e até mesmo desconhecidas, desconfie. Verifique também com os amigos e parentes, se ao discarem para o seu número, conseguem sempre falar com você. Quando o aparelho sofre esse tipo de ação, a ligação costuma ser interceptada pela outra pessoa que clonou o aparelho.

E o mais clássico de todos os sintomas, a conta telefônica com registros diferentes daqueles realizados por você e cobranças incompatíveis com o de costume.

Saiba quais são os celulares mais roubados do Brasil.

O que fazer se o meu celular for clonado?

Independente de qual tecnologia é a do seu aparelho, sempre que notar uma anormalidade que seja compatível com a clonagem de celular, ou caso tenha perdido o aparelho, solicite o bloqueio imediato da linha.

O fato deve ser relatado para que seja aberto uma ocorrência junto à operadora. Neste caso, recomenda-se anotar o nome do atendente, data, hora e protocolo da ocorrência, caso seja realizado por telefone ou, se for presencial, solicitar a cópia impressa desse registro.

Dicas de segurança:

É possível tomar algumas providências para evitar que você tenha um celular clonado:

  • Troque o seu celular antigo por um de tecnologia moderna;
  • Caso precise reparar algum dano no aparelho, procure por autorizadas;
  • Revise a sua conta de celular, para ter certeza que não estão utilizando a linha;
  • Tenha atenção às ligações da suposta linha operadora e nunca revele dados ou pressione teclas;

Você sabia?

A ação de criminosos para clonar celular acontecem, principalmente, em rodoviárias e aeroportos, onde o aparelho acaba por entrar em modo “roaming”, no qual passa a operar em ondas FM, não criptografadas, o que facilita a ação dos scanners.

Leia também:

Gostou? Compartilhe!
Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar