Por que a conta de luz no Brasil é uma das mais caras do mundo

A conta de luz no Brasil não para de subir. Veja o porquê de tantos aumentos consecutivos e como a energia do Brasil é hoje das mais caras do mundo.

Por que a conta de luz no Brasil é uma das mais caras do mundo
Saiba por que o valor da conta de luz tem aumentado tanto para os brasileiros nos últimos meses

Todos os brasileiros estão reclamando da mesma coisa: o aumento da conta de luz. Por mais que se economize energia, mês após mês as contas têm apresentado aumento, o que tem deixado os consumidores brasileiros revoltados. E pudera, nos últimos 3 anos o aumento foi de 83,23%. A percentagem é assustadora, ela considera os os reajustes ordinários de 2013 e 2014, o reajuste extraordinário de fevereiro deste ano (de 31,91%) e a revisão tarifária aprovada em junho. Você sabe o real motivo desses aumentos consecutivos?

SIMULAÇÃO GRATUITA
Quer saber se é possível conseguir o empréstimo? O E-konomista te ajuda. Faça uma simulação gratuita e o cadastro por aqui.

Por que tantos aumentos na conta de luz?

Para entender os aumentos, precisamos saber o caminho que a energia faz até chegar ao mercado consumidor.

  • 1º Geração de energia: As usinas fazem a geração da energia. No Brasil, as principais fontes são as usinas hidrelétricas e termoelétricas.
  • 2º Transmissão: As redes de transmissão transportam a energia produzida nas usinas até as distribuidoras.
  • 3º Distribuição: São as empresas de energia eletrética que levam a energia até o consumidor final.


Em média a cada 4 anos, a ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) autoriza as revisões ordinárias às distribuidoras para repassar o aumento dos custos da distribuição de energia elétrica aos consumidores. A ANEEL dá um índice às companhias elétricas que representa o valor máximo que elas podem aumentar no valor final ao consumidor. A empresa tem autonomia para repassar aos consumidores um percentual menor ou o máximo permitido pela ANEEL. 

O desequilíbro que afeta o bolso do consumidor acontece porque a agência vem autorizando reajustes altos devido ao encarecimento da energia no país nos últimos meses. O encarecimento é provocado por:

  • Queda no nível dos reservatórios das principais hidrelétricas do país devido à falta de chuvas, nossa principal fonte de energia elétrica, as hidrelétricas, ficaram com reservatórios em níveis muito baixo e foi preciso recorrer às termelétricas para sustentar o consumo de energia do país.
  • O uso mais intenso de termelétricas – são usinas que geram eletricidade pela queima de gás natural, óleo ou carvão. O custo para produzir energia a partir das termoelétricas é muito mais alto do que pela hidrelétrica.

O aumento do custo foi assustador. Sem poder subir os preços e com reservatórios vazios, as concessionárias ficaram endividadas e tiveram de recorrer a empréstimos para cobrir as dívidas do setor no mercado de curto prazo de energia. Em períodos passados, quando as distribuidoras tinham dívida com o Tesouro Nacional, o governo bancava a dívida e evitava que o aumento chegasse até o consumidor. Mas com a crise financeira, ele não bancou mais e parte dessa dívida foi inserida no aumento das tarifas, além dos custos a mais com a geração de energia mais cara das termoelétricas.

O peso no bolso do consumidor

alt=


Agora que você já começa a entender de onde vem tantos aumentos, conseguimos enxergar o tamanho do problema que afeta a conta de luz dos brasileiros.

Com tamanho encarecimento da energia foi preciso fazer reajustes extraordinários – que são aquelas revisões aplicadas além das que já estavam previstas, como o que foi feito em março de 2015, quando o aumento médio de uma conta para clientes residenciais foi de 33% e todo mundo levou um susto.

Em junho de 2015, a Aneel aprovou novo reajuste. O aumento médio para os consumidores de alta tensão, como as indústrias, ficou em 11,73% e para os clientes de baixa tensão, como as residências, houve aumento médio de 17,04%.

E ainda tem as bandeiras

Sabe o que são as bandeiras? É um sistema de cobrança definido pela ANEEL que cobra diferentes taxas do consumidor a partir de condições favoráveis ou desfavoráveis de produção de energia.

  • Bandeira Verde: Aparece na sua conta de luz uma bandeira verde quando as condições de geração de energia estão favoráveis – quando ela aparece não há nenhum acréscimo de taxa da bandeira na sua conta de luz.
  • Bandeira Amarela: Aparece na sua conta de luz a bandeira amarela quando as condições de geração de energia estão menos favoráveis – então para cada 1 KWh consumido, o preço que era de R$ 0,015 passa a R$ 0,025.
  • Bandeira Vermelha: aparece na sua conta de luz a bandeira vermelha quando se está utilizando as formas mais caras de geração de energia – então para casa 1 KWh consumido, o preço que era R$ 0,03 passa a R$ 0,055.

Nos últimos tempos, temos presenciado a bandeira vermelha nas nossas contas, o que custa caro para o consumidor.

Preço da energia elétrica no Brasil X no Exterior

Com tantos aumentos consecutivos, o Brasil passou de 2014 para 2015 do 11º país com energia mais cara, para o 6º país que cobra mais caro dos consumidores e das indústrias. A preocupação com os valores das indústrias é grande, pois dificulta o crescimento das mesmas e afasta investimentos estrangeiros. Para se ter uma ideia, a indústria brasileira tem energia elétrica 132% mais cara do que nos Estados Unidos.

Dos 28 países analisados, a  Índia é o país que tem o custo da energia elétrica mais caro do mundo, seguida pela Itália, Singapura, Colômbia, República Tcheca e Brasil. Os países que têm energia elétrica mais baratas são: nossos hermanos argentinos estão em primeiro lugar - Argentina, seguida do Paraguai, Equador, Estados Unidos e Canadá. O ranking completo dos 28 países com o preço pago em reais por cada MW/h, pode ser conferido no site do Sistema Firjan.

Cadastre-se grátis e concorra a vários prêmios!


Veja também:

Gostou? Compartilhe!
Ana Luiza Fernandes Ana Luiza Fernandes

Ana Luiza Fernandes é brasileira, natural de Minas Gerais, formada em Comunicação Social com ênfase em Jornalismo e hoje cursa Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, Portugal. Possui trabalhos na área de Jornalismo Cultural, Fotografia, Documentário e Assessoria de Imprensa e é apaixonada pela profissão desde criança.

Receba mais informações como esta!

Receba a nossa newsletter

Ao submeter os seus dados receberá a newsletter, ofertas e publicidade enviado por e-konomista.com.br e pelos nossos Parceiros e aceita os Termos e Condições e a Política de Privacidade. Os dados submetidos serão compartilhados com os nossos Parceiros.

Enviar